c

Dr. Jorge Huberman

  >  Blog   >  Vacinas protegem as crianças de doenças
Vacinas protegem as crianças

Vacinas protegem as crianças de doenças

É sabido por todos que as vacinas protegem as crianças de doenças infecciosas. Por isso, É de fundamental importância que os pais tenham um calendário vacinal, para controlar as vacinas dadas nas crianças. Seja em seu primeiro dia de vida, ou para a vacina de 1 ano de idade, é muito importante que isso esteja sob controle e que seja seguido com rigor.

Todas as vacinas são tomadas de acordo com a idade da criança, seja para proteger contra doenças graves, como o sarampo, meningite, febre amarela ou mesmo uma febre gerada por uma gripe que pode causar preocupação, principalmente no começo da vida.

No Instituto Saúde Plena, do Dr. Jorge Huberman, todas estas vacinas são de fundamental importância e lavadas a sério. Por isso, é muito interessante que o calendário de vacinação seja sempre atualizado pelos pais, a cada dose dada para a criança, seja uma vacina que pode ser obrigatória ou não.[/vc_column_text]

`` Todas as vacinas são tomadas de acordo com a idade da criança, seja para proteger contra doenças graves ou mesmo uma febre gerada por uma gripe que pode causar preocupação, principalmente no começo da vida. ``

Além disso, mantendo sempre em dia o calendário de vacinação infantil, certamente o sistema imunológico das crianças estará devidamente protegido, evitando também que as doenças infecciosas causem danos mais sérios, provocando até mesmo uma internação hospitalar, caso sejam contraídas.
Do mesmo modo, fique sempre atento às campanhas de vacinação que são promovidas pelos Ministério da Saúde. Só para se ter uma ideia, são 300 milhões de doses das vacinas incluídas no Calendário Nacional de Vacinação.

Vacina contra o sarampo é das mais procuradas

Sem dúvida alguma, uma das mais procuradas atualmente é a vacina contra o sarampo. A vacinação é recomendada contra esta doença para todas as pessoas entre 1 e 29 anos de idade. Somente são consideradas “protegidas” quem já foi vacinado contra ela duas vezes.
Caso tenha tomado só uma dose, como era feito antigamente, é necessário se revacinar. Adultos que tenham entre 30 e 49 anos de idade, sem comprovação de nenhuma dose, devem receber ao menos uma dose da vacina tríplice viral.
Ambas as vacinas disponíveis contra o sarampo são consideradas como seguras e eficazes. No entanto, podem causar reações adversas como febre, mal-estar e vermelhidão. Em relatos absolutamente raros, podem causar doenças um pouco mais graves, como meningite e encefalite.

Contudo, embora seja muito importante seguir o calendário de vacinação e se imunizar nas idades recomendadas, é essencial repor as vacinas que estão atrasadas.

Entretanto, essa regra só é válida para vacinas que continuam sendo recomendadas na idade adulta, como hepatite B, tétano, coqueluche e difteria. Até mesmo as doenças clássicas da infância, como caxumba, sarampo e rubéola, continuam tendo recomendação de vacinação para todas as faixas etárias e precisam ser tomadas.
Vale lembrar, no entanto, que pode ocorrer que a criança mesmo tendo sido vacinada, acaba contraindo a doença para a qual tenha se vacinado. No caso, na grande maioria das vezes, a doença ocorre de forma mais branda.

Mas, mesmo assim, é preciso ter os mesmos cuidados. São os casos de doenças como sarampo, caxumba e catapora.

Uma criança de 12 meses pode ser vacinada com a Tríplice viral-SCR (Sarampo, Caxumba, Rubéola), tomando a segunda dose entre 4 e 6 anos de idade. Há também a vacina Tetravalente Viral. Nesta, o objetivo é combater estas três doenças, além, ainda, da vacinação contra a varicela.

Vacina contra a febre amarela é recomendada em várias regiões

Sobre a vacina contra febre amarela, além de atuar na prevenção de doenças, ela é recomendada em diversas regiões do Brasil onde sua transmissão é possível, como por exemplo, no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, principalmente para aqueles que ainda não são vacinados e que se expõem em áreas de mata. É ali que o vírus age naturalmente.

Também é obrigatório a vacina para brasileiros que viajam para determinados países que são considerados áreas de risco para a doença. Além disso, 135 países, segundo a Anvisa, exigem a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) para ingresso de estrangeiros.

A vacina da febre amarela deverá ser dada, naturalmente, para esse público alvo, para residentes de Área Com Recomendação de Vacina (ACVR) e, também para os viajantes, sejam brasileiros ou mesmo estrangeiros, que se dirigem para essas áreas.