Dr. Jorge Huberman

  >  adolescentes   >  Tosse: quando devo me preocupar?
Bebê aparente estar doente: sobre a tosse: quando devo me preocupar?

Tosse: quando devo me preocupar?

Se há um sintoma de doença que preocupa os pais, a tosse é um dos principais. Por isso sempre vem à nossa mente a pergunta; tosse: quando devo me preocupar?

Ainda mais quando ela é crônica!

Em primeiro lugar, cabe esclarecer que a rinite alérgica é uma doença que atinge as nossas vias aéreas superiores.

Enquanto isso, a asma, conhecida popularmente como bronquite, alcança as vias aéreas inferiores.

Alguns dos sintomas mais frequentes da rinite são: coriza, coceira e espirros frequentes.

Já os sintomas da asma são aperto no peito, falta de ar, chiado e tosse.

O problema é que nenhuma delas tem cura.

Vale, no entanto, a lembrança: elas não aparecem de uma hora para outra.

Pelo contrário. Para que a criança apresente alguma reação, ela já deve ter entrado em contato com o agente pelo menos uma vez.

No entanto, não se pode antecipar ou prever quando nossos filhos vão apresentar alguma alergia.

Segundo os estudos médicos uma criança tem cerca de 20% de chance de se tornar alérgica.

Se o pai ou a mãe dela apresenta este problema de saúde, o índice dobra para 40%.

Contudo, se ambos forem alérgicos, o fator de risco dobra novamente: pode atingir até 80%.

Ao contrário do resfriado e da gripe, a alergia respiratória não apresenta febre, não ocasiona congestionamento na região dos olhos e, muito menos,  não deixa as crianças sem apetite.

É mais comum que as crises alérgicas tenham um padrão: as leves normalmente serão somente leves; e as fortes, serão sempre fortes.

Do mesmo jeito, somente o exame clínico não é suficiente para diagnosticar o problema. É aconselhável, em qualquer idade, fazer

exames laboratoriais.

Da mesma forma, o histórico familiar conta demais e também faz parte do diagnóstico.

Rinite pode se transformar em asma?

Menino faz inalação: rinite pode se transformar em asma
Menino faz inalação: rinite pode se transformar em asma

Qualquer um que seja alérgico pode ter choque anafilático.

No entanto, não há como afirmar quem tem mais chance ou não de ser acometido por este choque.

Sintomas como desmaio, rouquidão e falta de ar são sinais evidentes de alerta sobre um possível choque.

As crises respiratórias se apresentam mais em temperaturas baixas, no inverno, pois nossos filhos permanecem mais tempo em espaços fechados e há o contato com cobertores que possam ter ácaros.

E, respondendo à pergunta, sim: a rinite alérgica pode virar asma.

Isso ocorre porque a rinite obriga a criança a respirar com frequência pela boca, e o contato direto com o ar não filtrado e não aquecido pelo nariz causa uma inflamação no sistema respiratório.

Outro questionamento muito frequente que os pais costumam ter é se a criança pode utilizar os mesmos produtos de higiene que um adulto usa. Resposta: não!

Crianças que são sujeitas a produtos químicos que não são direcionados a elas têm mais chances de desenvolver alergia por manter contato com essas substâncias.

Recomenda-se que elas utilizem os produtos neutros, sem cheiro e voltados especificamente para elas.

Fique atento: cheiros muito fortes podem irritar quem tem alergia respiratória e levar a uma crise.

“Temos algumas recomendações sobre isso”, afirma o especialista,  Dr Jorge Huberman.

“Cultive um estilo de vida saudável”, aconselha o pediatra.

“Mantenha completo o calendário de vacinação  de crianças e idosos sob sua responsabilidade”, recomenda.

“Vacine-se contra a gripe antes do inverno. Agora, por exemplo, é uma boa época”, diz o neonatologista.

O pediatra Jorge Huberman com a então bebê e sua paciente, Julia: neonatologista recomenda ter hábitos de vida saudáveis
O pediatra Jorge Huberman com a então bebê e sua paciente, Julia: neonatologista recomenda ter hábitos de vida saudáveis

As vacinas, os remédios contra a alergia

Há vacina contra a alergia, mas só para quem sofre dela.

Chamada de “imunoterapia”, é feita para crianças que tenham anticorpos para os sintomas da alergia, e isso é mostrado em exame de sangue.

O tratamento é realizado semanalmente, durando de dois a cinco anos.

No entanto, não existe garantia de que irá resolver o problema.

Do mesmo modo, remédios anti histamínicos são recomendados em momentos de crise.

Como agir dentro de casa?

Em primeiro lugar, para ter um lar seguro para as crianças é bom evitar carpetes, manter sempre o chão limpo, utilizar panos úmidos para não levantar pó.

Opte por produtos de limpeza sem aroma. Utilize persianas no lugar de cortinas.

Guarde os cobertores para que não juntem pó em cima da cama e evite usar amaciantes quando for lavar roupa.

É fundamental que lave as roupas de cama semanalmente!

Verifique sempre colchões e travesseiros. Veja se não estão acumulando pó.

A respeito dos bichos de pelúcia, as crianças podem ter sim.

Caso o seu filho não tenha alergia, deixe poucos brinquedos de pelúcia no quarto e escolha aqueles que são mais fáceis de lavar e secar, como os feitos de material sintético. Lave-os toda semana.

Quando não são lavados com frequência, podem virar depósito de ácaros, micro-organismos que podem provocar uma crise de alergia.

Já se o seu filho tem alergia, mas não consegue viver sem o brinquedo, valer mantê-lo.

Contudo, ele tem que ser lavado com a mesma periodicidade e o contato da criança com ele tem que ocorrer por breves períodos.

Sobre os animais de estimação, levantamentos demonstram que esse contato aumenta a tolerância de crianças sensíveis ao pelo do animal, reduzindo os sintomas da alergia.

Porém, caso o seu filho se torne alérgico, é necessário afastá-lo.

Não precisa tirar o pet da sua casa, mas é aconselhável que ele não fique  no mesmo ambiente com a criança todo tempo.

Se os pequenos forem alérgicos, é possível ver se elas se adaptam ao animal.

Caso não dê certo, seu filho pode realizar um tratamento de dessensibilização no consultório médico.

A asma tem diferentes graus de gravidade?
Menino tossindo: asma tem diferentes categorias de gravidade
Menino tossindo: asma tem diferentes categorias de gravidade

Sim, tem!

A asma possui graus de gravidade diferentes, que podem evoluir, mas também regredir. O grau mais brando tem sintomas leves e com pausa.

Surge até dois dias por semana e até duas noites por mês.

A asma pode evoluir até o grau 4, onde há sintomas graves persistentes ao longo do dia, frequentemente à noite, e várias vezes por semana.

Para marcar uma consulta com o Dr.Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.