Dr. Jorge Huberman

SPB recomenda nova vacina da dengue para crianças

A recente introdução da nova vacina contra a dengue representa um marco significativo na batalha global contra essa doença viral transmitida por mosquitos, principalmente pelo fato que a SBP que recomenda a nova vacina da dengue para crianças. Desenvolvida com o objetivo de prevenir a propagação do vírus, a vacina tem sido alvo de atenção permanente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que desempenha um papel crucial na orientação dos profissionais de saúde e na disseminação de informações essenciais. Nesta primeira parte do artigo, exploraremos os fundamentos da vacina e como a SBP está recomendando sua aplicação.

A vacina contra a dengue, aprovada após rigorosos testes clínicos, demonstrou eficácia em reduzir os casos graves da doença. Seu impacto potencial na saúde pública é enorme, especialmente em regiões onde a dengue é endêmica. A SBP, ciente da importância da imunização, tem trabalhado para educar os pediatras sobre as diretrizes e recomendações para a administração adequada da vacina em crianças.

Recomendações Específicas da SBP para a Vacinação

É essencial abordar as recomendações específicas da SBP em relação à vacinação contra a dengue. A Sociedade Brasileira de Pediatria destaca a importância de um cronograma de vacinação adequado, levando em consideração a faixa etária das crianças e fatores de risco regionais. É fundamental ressaltar que a SBP não apenas endossa a vacinação, mas também fornece orientações detalhadas sobre o manejo de possíveis efeitos colaterais e contraindicações.

A SBP incentiva os pediatras a integrarem a vacina contra a dengue nos calendários de imunização recomendados, priorizando crianças em áreas de alta incidência da doença. Além disso, o órgão destaca a importância de conscientizar os pais sobre a segurança e eficácia da vacina, promovendo a confiança na imunização. A transparência nas informações é um pilar fundamental das diretrizes da SBP, visando uma abordagem colaborativa entre profissionais de saúde e responsáveis pelas crianças.

Desafios e perspectivas futuras da vacinação contra a Dengue; SPB recomenda nova vacina da dengue para crianças

Iremos abordar agora os desafios enfrentados na implementação efetiva da vacina contra a dengue e as perspectivas futuras dessa estratégia de saúde pública. A SBP reconhece que, embora a vacina represente um avanço significativo, a logística da distribuição e a conscientização da população são obstáculos difíceis a serem superados. A colaboração entre governos, organizações de saúde e comunidades são essenciais para garantir o sucesso da vacinação em larga escala.

Além disso, a SBP está atenta às evoluções científicas relacionadas à vacina contra a dengue. A pesquisa contínua é necessária para aprimorar a eficácia da vacina, abordar possíveis mutações do vírus e expandir sua aplicação para diferentes faixas etárias. A Sociedade Brasileira de Pediatria está comprometida em atualizar suas diretrizes à medida que novas informações surgem, garantindo que os pediatras estejam sempre muito bem informados e capacitados para oferecer a melhor assistência às crianças.

No documento científico publicado pela Sociedade Brasileira de Pediatria, a recomendação é para tomar a vacina contra a dengue produzida pelo laboratório japonês Takeda, como escolha preferencial para imunizar crianças e adolescentes.

A Anvisa deu o aval para o registro desta vacina, a Qdenga, em território brasileiro, em março deste ano.

Esse imunizante está liberado para ser aplicado em crianças com mais de 4 anos, adolescentes e adultos até os 60 anos de idade – são duas doses da vacina, com intervalo de três meses entre elas. Nos estudos clínicos realizados a respeito da vacina, ele demonstrou ter 80% de eficácia contra a dengue.

A SBP ressalta que a Qdenga é um imunizante composto por vírus vivos atenuados que ajudam na prevenção da dengue causada por qualquer um dos quatro sorotipos existentes (1, 2, 3 e 4). Ela pode ser administrada independente de exposição anterior do paciente à doença e sem necessidade de teste pré-vacinação.

A outra vacina contra a Dengue: Dengvaxia

Menino recebe vacina de um enfermeiro; existe outra vacina contra a dengue licenciada no Brasil: é a Dengvaxia, da farmacêutica Sanofi
Menino recebe vacina de um enfermeiro; existe outra vacina contra a dengue licenciada no Brasil: é a Dengvaxia, da farmacêutica Sanofi

Existe outra vacina contra a dengue licenciada no Brasil: é a Dengvaxia, da farmacêutica Sanofi. Ela é recomendada no esquema de três doses para crianças, adolescentes e adultos, englobando a faixa etária dos 6 aos 45 anos. Só que, neste caso, ela deve ser utilizada apenas em que já teve a confirmação de uma infecção prévia por dengue.

É por isso que a SBP aconselha a escolha pela Qdenga. Segundo o documento oficial publicado pela entidade em agosto de 2023, a SBP sugere o uso preferencial da vacina Qdenga pelo esquema posológico mais conveniente (menor número de doses e término do esquema vacinal em menor tempo) e pela não necessidade de comprovação de infecção prévia pela dengue para sua administração.

A SBP recomenda a vacinação para todas as crianças e os adolescentes a partir dos 4 anos de idade, independente ou não de já ter enfrentado a doença.

Quem não deve se vacinar; SPB recomenda nova vacina

A SBP ressalta, ainda, que ambas as vacinas são contraindicadas para gestantes, mulheres que amamentam e imunocomprometidos e para indivíduos com hipersensibilidade a substâncias contidas no imunizante.

Diz ainda o documento oficial: a vacinação com Qdenga deve ser adiada caso o paciente apresente doença febril aguda. A presença de uma infecção leve, como um resfriado, não deve resultar no adiamento da vacinação.

A vacina contra a dengue da Takeda é oferecida em clínicas médicas particulares. De acordo com um levantamento feito em julho pelo Estadão com quatro estabelecimentos da capital paulista, o valor da dose varia de R$ 425 a R$ 478 – o esquema completo de vacinação é feito com duas doses, com um intervalo de 90 dias entre as duas aplicações.

Cabe ressaltar que o valor pode variar de acordo com o estado por causa das diferentes cargas tributárias.

Para marcar uma consulta com o Dr Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.

Blog Jorge Huberman