Dr. Jorge Huberman

Quando devo me preocupar com a icterícia?

A icterícia pode causar danos irreversíveis em recém-nascidos se não for tratada de forma adequada. Por isso, uma pergunta frequente dos pais é: quando devo me preocupar com a icterícia?

Na verdade, a icterícia é um dos problemas de saúde mais comuns nos bebês. Ela tem como principais características a coloração amarelada da pele, dos olhos e da mucosa.

Assim, seu tratamento, se iniciado logo nos primeiros sintomas, é 100% eficaz.

Contudo, vale alertar: a demora no diagnóstico pode causar danos irreversíveis e muito sérios, inclusive, cerebrais.

Vale ressaltar que, assim que os pais notarem esse tom amarelado, recomenda-se procurar um pediatra.

A icterícia é causada pelo excesso de uma substância produzida pelo fígado, a bilirrubina, que deixa a pele amarelada; ela precisa ser dosada e é detectada pelo exame de sangue.

Essa dosagem é fundamental pois há dois tipos de icterícia: a fisiológica, que não exige nenhum tratamento e é a mais comum; e a patológica, quando o bebê necessita de fototerapia, porque traz riscos à sua saúde.

Geralmente, a icterícia ocorre logo após o nascimento da criança, entre o seu terceiro e quinto dia de vida. No entanto, também pode acontecer já no primeiro dia de vida, sendo, desta forma, classificada como precoce.

Independentemente do tempo, ou seja, se ocorrer no primeiro dia ou até no quinto dia de vida a assistência médica é essencial pois a bilirrubina não se deposita somente na pele e nos olhos: ela pode surgir no cérebro e causar neurotoxicidade.

A neurotoxicidade no sistema nervoso central é uma das principais e mais sérias complicações da hiperbilirrubinemia não tratada adequadamente. 

Essa intoxicação pela bilirrubina ocasiona a encefalopatia, cujos sintomas clínicos iniciais são: sonolência, recusa alimentar e diminuição do tônus muscular. Na sequência, o nenê pode apresentar vômito, febre e até convulsão.

Tratamento da icterícia

O pediatra Jorge Huberman durante visita a Israel: médico fala sobre a icterícia
O pediatra Jorge Huberman durante visita a Israel: médico fala sobre a icterícia

Um dos principais tratamentos da icterícia é a fototerapia, que é realizada através de um equipamento que emite uma luz que consegue quebrar o excesso de bilirrubina que está na corrente sanguínea, de modo que ela seja eliminada com maior rapidez do organismo. Normalmente, os pequenos precisam ser submetidos a esse procedimento por algumas horas. Contudo, esse tipo de tratamento só deve ser encerrado quando o nível de bilirrubina atingir um índice seguro.

No entanto, vale lembrar que, como a maioria dos bebês acaba melhorando de forma espontânea   da icterícia, o tratamento só é recomendado nos casos mais graves.

Normalmente, o procedimento é aconselhado quando a bilirrubina ultrapassa 18 mg/dL a partir do 3º dia ou quando ela está acima de 12 mg/dl já nas primeiras 24 horas de vida do bebê.

Na fototerapia, o recém-nascido é colocado sob uma luz azul fluorescente que age quebrando a molécula de bilirrubina depositada na pele em pedaços, facilitando a sua eliminação tanto na urina, como também nas fezes.

A fototerapia é um procedimento bastante seguro e utilizado há mais de 3 décadas. De forma geral, é o único tratamento recomendado para baixar os níveis sanguíneos de bilirrubina.

“Em alguns hospitais, o Bilicheck é utilizado para calcular as Bilirrubinas. O Bilicheck® (SpectRx Inc, Norcross, Georgia, EUA) é um equipamento que emite um feixe de luz em direção à pele e capta novamente sua reflexão”, diz o pediatra Jorge Huberman. “A absorção da luz pela bilirrubina é avaliada após ser devidamente depurada a porção afetada pela quantidade de colágeno, melanina e hemoglobina. Dessa forma não há necessidade da coleta sanguínea”, explica o neonatologista.

Afinal, quando devo me preocupar com a icterícia?

A icterícia classificada como fisiológica (aquela que é considerada normal), inicia-se, geralmente, no 3º dia de vida do bebê e desaparece em até, no máximo, duas semanas. Nos prematuros, ela pode demorar um tempo maior.

Em alguns recém-nascidos, os índices de bilirrubina podem chegar até 15 mg/dl.

Contudo, nem todo quadro de icterícia neonatal é considerado natural. Diversas vezes, a hiperbilirrubinemia pode não ter origem no processo normal de metabolização da bilirrubina nos recém-nascidos, mas sim em alguma doença.

A icterícia neonatal deve ser melhor investigada se ela apresentar esses sintomas.

Começa nas primeiras 24 horas de vida do bebê.

Apresenta concentrações sanguíneas maiores que 20 mg/dl.

Demora mais do que 2 semanas para sumir (exceto em prematuros).

Quando a bilirrubina direta também está muito elevada.

A icterícia que apresenta uma ou mais destas características pode estar sendo causada por problemas do fígado, das vias biliares ou por hemólise (que é a destruição anormal das hemácias).

As causas da icterícia

Bebê recebe tratamento em encubadora de hospital para tratamento de icterícia
Bebê recebe tratamento em encubadora de hospital para tratamento de icterícia

São várias as causas da icterícia: prematuridade, oferta inadequada de leite materno, diabetes materna, predisposição genética e a incompatibilidade sanguínea entre mãe e filho, quando um tem fator RH positivo e o outro negativo.

O que ocorre é que as hemoglobinas dos bebês são mais numerosas e têm vida média mais curta do que as dos adultos, enquanto seu fígado ainda é bastante imaturo. Isto é: a produção de bilirrubina é maior do que a capacidade de processá-la e eliminá-la, o que ocasiona acúmulo da substância no sangue. É a chamada icterícia fisiológica do recém-nascido.

Quanto mais prematuro for o nenê, maior dificuldade o fígado terá para eliminar a bilirrubina. É por esse motivo que a icterícia neonatal é mais constante entre os bebês nascidos antes da 38ª semana de gestação. Ela também pode ter outras causas.

Incompatibilidade entre o tipo sanguíneo do bebê e o da mãe.

Traumas durante o parto.

Dificuldades na amamentação.

De modo mais raro, o recém-nascido com icterícia pode apresentar sinais de doenças mais graves, como:

Infecções bacterianas ou virais e doenças congênitas.

Problemas no fígado.

Hipotireoidismo.

Hemorragia ou sepse.

Disfunção nos glóbulos vermelhos.

Para marcar uma consulta com o Dr Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.

Blog Jorge Huberman