Dr. Jorge Huberman

  >  Novidades   >  Por que a miopia em crianças aumentou na pandemia?
Miopia em crianças

Por que a miopia em crianças aumentou na pandemia?

Hoje, no Brasil, calcula-se que cerca de 35 milhões de pessoas tenham miopia. O comum é que a miopia em crianças diminua conforme elas crescem, mas, com a pandemia observamos o movimento oposto: as crianças cresceram e a doença também. Por isso, fica a pergunta: por que a miopia em crianças aumentou na pandemia?

Em primeiro lugar, é bom que se saiba que a miopia é o nome dado a doença que surge a partir de um erro de refração, o processo que ocorre quando a luz de fora atravessa os olhos para formar a imagem na retina, o que permite que os objetos sejam enxergados claramente.

No olho com miopia, a imagem não é formada na retina, o que causa uma visão embaçada, atrapalhando a visualização de objetos, formas, letras e imagens que estão distantes.

Por isso, crianças com miopia têm dificuldade em ver ao longe, o que pode prejudicar a realização de atividades simples, como ler o que está escrito na lousa durante a aula ou mesmo assistir algum desenho na televisão.

Geralmente, a miopia em crianças aparece em pequenas tarefas diárias, quando a criança precisa aproximar o smartphone demais do rosto para enxergar algo, por exemplo. Por isso é necessário relatar cada um desses hábitos ao pediatra, durante as consultas periódicas!

Quais as causas de miopia em crianças? Por que a miopia em crianças aumentou na pandemia?

Médicos especialistas,  pediatras e pesquisadores que estudam a miopia identificaram dois motivos principais para que a miopia em crianças aparecesse.

O primeiro deles é a genética. Isso significa que a miopia pode ser transmitida de uma geração para a outra, e que se ambos os pais tiverem miopia, a criança, provavelmente, poderá desenvolver essa condição algum dia, também.

A segunda causa relacionada a crianças com miopia é o hábito de focar os olhos por muito tempo em um mesmo objeto. Isso pode ocorrer quando a criança assiste a vídeos, lê algo aproximando aquilo do rosto ou se mantém olhando para telas de computadores, tablets e smartphones, por um longo período, por exemplo.

Assim como qualquer doença, a miopia possui sintomas. O neonatologista Jorge Huberman, aponta a seguir alguns dos sinais mais comuns da miopia em crianças. Caso identifique um conjunto deles no comportamento do seu filho, leve-o ao pediatra.:

  • Sentimento recorrente de cansaço na visão ou relatos constantes sobre precisar descansar a vista;
  • Costume de piscar várias e várias vezes, enquanto realiza alguma atividade que demanda mais atenção ou foco constante em um objeto;
  • Relatos corriqueiros sobre dor de cabeça, especialmente quando é próxima à região da testa e olhos;
  • Prática ou necessidade de apertar os olhos para ver corretamente algo que está distante ou textos menores;
  • Problemas para enxergar o que está longe ou então o hábito de se sentar próximo à televisão para conseguir ver, por exemplo;
  • Mania de esfregar os olhos com as mãos para “limpar” a visão.

Quais são os graus e como tratar a miopia em crianças?

miopia em crianças
Existem sintomas que indicam a miopia e é importante estar atento (Foto: Freepik)

A miopia possui três níveis, que são definidos pelo grau que ela pode alcançar.

Os casos mais discretos, conhecidos como miopia leve, são os que chegam até cerca de 1 grau. Para tratar esses quadros de miopia em crianças, o indicado é o uso de óculos, lentes de contato e, muitas vezes, se não houver tanto prejuízo na vida cotidiana, não é necessário o uso de nenhum recurso de correção.

Para miopias de grau moderado, a criança precisa usar óculos ou lentes de contato, e o grau pode variar de 2 a 6. O mesmo tratamento é indicado para quadros de miopia avançada, acima de 6 graus.

A cirurgia de correção da refração não é indicada para crianças, pois ela depende da estabilidade da doença para dar certo, o que é mais provável em pacientes maiores de idade.

Isso significa que durante a vida adulta, o grau da miopia para de aumentar em algum momento, e essa é a oportunidade ideal para cogitar um procedimento cirúrgico.

Entenda as causas do aumento da miopia em crianças durante a pandemia

Diversos estudos foram realizados em várias partes do mundo, por revistas científicas internacionais como a “Jama Ophthalmology” e até pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO). 

O resultado deles mostra que em comparação com os cinco últimos anos, os casos de crianças com miopia cresceram três vezes mais em 2020 e que sete a cada dez médicos especialistas em oftalmologia identificaram a progressão da miopia durante a pandemia.

Outras pesquisas apontam que a principal razão para o aumento da miopia em crianças, no último ano, foi a falta de contato com a luz do sol.

Especialistas afirmam que os raios solares liberam dopamina, substância que evita que o globo ocular se alongue, impedindo que a miopia apareça.

Com o isolamento, crianças não apenas deixaram de aproveitar momentos em que se cercavam de luz solar, como passaram a depender da tecnologia para realizar suas tarefas, no caso de aulas online, por exemplo.

Segundo oftalmologistas e pediatras, nenhuma luz artificial pode substituir os raios solares para motivar a produção de dopamina, que também é responsável por levar informações para várias partes do corpo e provocar a sensação de bem-estar e motivação.

Entre as percepções reveladas nas pesquisas, os profissionais também alertaram sobre o uso de diversos dispositivos eletrônicos como algo que pode agravar o quadro de miopia.

Como prevenir a miopia em crianças?
miopia em crianças
Diversos estudos sobre miopia foram realizados em várias partes do mundo (Foto: Freepik)

Quase todos os profissionais que foram ouvidos no estudo realizado pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (cerca de 98%), afirmaram que a redução de tempo em contato com telas – de celulares, tablets, computadores, televisores e videogames – pode ajudar a prevenir o aumento da miopia em crianças.

Seis em cada dez entrevistados, inclusive, defenderam as recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) sobre o tema. Entre elas estão:

  • Para crianças de 0 a 2 anos: evitar exposição a telas sem necessidade.
  • Para crianças de 2 a 5 anos: limitar o uso de até no máximo 1 hora por dia, com a supervisão de adultos.
  • Para crianças de 6 a 10 anos: limitar o uso de até no máximo 2 horas por dia, com a supervisão de adultos.
  • Para crianças de 11 a 18 anos: limitar o uso de até no máximo 3 horas por dia.

Além disso, é importante incentivar ou até realizar uma atividade ao ar livre junto com as crianças, para garantir o contato com a luz solar.

Confira as recomendações na íntegra clicando aqui. 

A importância do acompanhamento pediátrico

Como outro ponto a ser destacado como possível agravante do aumento da miopia em crianças, especialistas apontam que a pandemia provocou uma queda imensa nos números de consultas, exames, procedimentos oftalmológicos e pediátricos, por conta do isolamento social e do receio dos pacientes de contraírem a Covid-19.

Comparando os anos de 2019 e 2020, os atendimentos caíram cerca de 80%, segundo estimativas da National Patient and Procedure Volume Tracker Analysis, nos Estados Unidos. No Brasil, médicos afirmam que o mesmo padrão foi seguido.

A melhor forma de prevenir ou tratar qualquer doença, principalmente no caso de crianças, é a observação e o acompanhamento de um pediatra de qualidade e confiança.

E, não se preocupe, pois com o tratamento correto, seu filho pode ter essa condição corrigida com óculos, essencialmente, até aos quinze anos de idade.

E se ele já passou dessa faixa de idade, pode recorrer a lentes de contato ou à cirurgia de correção quando alcançar a maioridade.

Portanto, lembre-se: ao menor sinal de qualquer problema, leve seu filho ao pediatra!

Para marcar uma consulta com o pediatra e neonatologista Dr. Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.