Dr. Jorge Huberman

  >  crianças   >  Pandemia afasta crianças de pediatras
Médico examina ouvido de criança: pandemia afastou as crianças dos pediatras

Pandemia afasta crianças de pediatras

Pandemia afasta crianças de pediatras e também dos postos de vacinação. Do mesmo modo, gestantes estão iniciando o seu pré-natal com atraso, mas, mesmo com medo, estão realizando as demais consultas nas datas corretas.

Estas constatações foram reveladas por meio de uma pesquisa realizada recentemente pela Sociedade Brasileira de Pediatria, SBP, e da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia sobre os efeitos da Covid-19, efetuada com mais de 1.500 profissionais.

De acordo com o estudo, mais de 60% dos pediatras relataram grande queda no número de consultas e mais de 70% afirmaram que as crianças deixaram de ser vacinadas pelos pais por causa da pandemia. Isso é considerado preocupante pelos especialistas.

Afirma Luciana Rodrigues Silva, presidente da SBP.

“Com receio de levar seus filhos para tomar vacina, os pais estão deixando de oferecer uma grande proteção a eles. É fundamental fazer essa vacinação, mesmo em tempo de Coronavírus”,

Ainda de acordo com Luciana, o estudo apontou ainda o forte efeito do isolamento social para as crianças.

“Com certeza, as crianças que foram obrigadas a ficarem confinadas em casa tiveram alterações comportamentais. Durante a infância, é essencial a socialização e o contato com outras crianças”, diz ela.

“O pediatra é um profissional essencial para acompanhar as crianças e fornecer orientações. É importante que o pediatra aconselhe quais são as brincadeiras que devem ser feitas durante este período para estimular o desenvolvimento da criança”. 

Segundo a pesquisa, quase 90% dos pediatras relataram que as crianças em idade escolar apresentaram mudanças em seu comportamento, das quais 75% foram oscilações de humor.  

Apesar da queda das consultas, o contato com os profissionais não foi totalmente perdido e mais de 80% dos pediatras disseram que houve aumento das consultas por telefone e, principalmente, por WhatsApp.  

Pesquisa com as gestantes

“A preocupação também será grande depois da pandemia, onde muitas doenças poderão ocorrer pela não vacinação e também os problemas psicológicos que estão atingindo e podem se prolongar depois desse período”, afirma o pediatra Jorge Huberman.

O Pediatra Jorge Huberman, ao lado da sua paciente, Laura, durante atendimento em seu consultório, em Moema: "a preocupação também será grande depois da pandemia, porque muitas doenças poderão ocorrer pela não vacinação das crianças"
O Pediatra Jorge Huberman, ao lado da sua paciente, Laura, durante atendimento em seu consultório, em Moema: “a preocupação também será grande depois da pandemia, porque muitas doenças poderão ocorrer pela não vacinação das crianças”

A respeito das gestantes, os especialistas, ginecologistas e obstetras observaram grande temor das gestantes sobre os seus bebês serem infectados pelo novo Coronavírus.

Os médicos afirmam que a gestante tem medo de, durante a gravidez e de assistência ao parto, contaminar-se, mas é muito mais por ela do que pelo futuro nenê.

A pesquisa revelou que quase 60% das mulheres disseram aos médicos que têm medo da transmissão vertical.

Apesar dos profissionais terem notado certo atraso no início do pré-natal (52%), eles disseram que a maioria das mulheres seguiram com as demais consultas nas datas corretas, cerca de 80%.

“Quando vão à consulta, por pressão da família ou preocupação do bebê, elas vêm que as consultas são marcadas com intervalos maiores para evitar que as grávidas fiquem próximas, juntas.

Além disso, elas percebem que todos os profissionais utilizam máscara e o ginecologista tem uma relação de proximidade muito forte e de muita interatividade com a gestante.  

Sem dúvida alguma, os especialistas afirmam que a gestação deve ser acompanhada sempre, em todo o período, para que problemas que possam surgir no período, como a hipertensão e a diabete gestacional, sejam detectados precocemente, evitando complicações para a mãe e também para o bebê.   Os ginecologistas afirmam que mais de 80% das pacientes têm medo da internação hospitalar por causa do parto, principalmente pela preocupação de se infectar e que somente 31% das pacientes querem optar pela cesárea, mesmo sabendo que o parto normal não oferece riscos ao bebê.  

Para agendar uma consulta com o Dr.Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701