Dr. Jorge Huberman

  >  Blog   >  Os 50 mil filhos do Dr.Jorge Huberman
O pediatra .Jorge Huberman em seu consultório em Moema: “Avós são amor que nunca envelhece e sabedoria que nunca acaba

Os 50 mil filhos do Dr.Jorge Huberman

Pode alguém ter 50 mil filhos? Estranho, não?! Não no caso de um pediatra e neonatologista que, há 41 anos, dedica-se com muito empenho aos seus pequenos pacientes. É por isso que podemos afirmar, sem dúvida, que esta frase é possível sim: os 50 mil filhos do Dr Jorge Huberman, profissional de medicina com mais de 4 décadas dedicadas só a atender, da melhor forma possível, os bebês, crianças, adolescentes e adultos que já passaram por suas mãos em seu consultório, em Moema, no Hospital Albert Einstein, no Hospital São Luiz e em muitos outros centros médicos.

Nós da Kesher Agência de Conteúdo, após um trabalho iniciado em julho de 2019, estamos comemorando junto com nosso amigo e cliente, o pediatra e neonatologista, Jorge Huberman a histórica marca de 100 postagens neste blog.

Nestes quase 18 meses de um trabalho intenso e de parceria com o querido médico, abordamos os mais diversos assuntos, sempre trazendo novidades da medicina, os conceitos mais avançados, sugestões dos seguidores nas redes sociais, estudos atualizados e, principalmente, a sabedoria do Dr Jorge Huberman, que exerce a medicina há mais de 4 décadas, com sólida e excelente formação acadêmica.

Para carimbar com chave de ouro esta marca, o Dr Jorge concedeu uma entrevista muito interessante falando sobre sua carreira, seu atendimento, relação com os pacientes, entre outros temas.

Boa leitura!

Kesher Agência de Conteúdo – Jorge, por que você escolheu a Pediatria e a Neonatologia para seguir carreira?

Jorge Huberman – No início da minha trajetória, eu pensava em seguir carreira em Cirurgia Plástica. Mas um dia, conversando com minha avó materna, Beile, ela me disse que a Pediatria era o início da vida.

E que era muito importante fazer diagnósticos corretos nessa fase, para haver uma vida saudável.

Hoje isso é conhecido como os “meus primeiros mil dias“.

Desde quando você desenvolveu paixão pelas crianças?

Depois que passei no estágio na Pediatra na faculdade, desenvolvi esse carinho pelas crianças. Isso cresceu muito durante minha residência médica.

Você têm filhos? Se não tem, já pensou em adotar?

Infelizmente não tenho filhos, mas considero meus filhos os meus pacientes e sofro com eles e com os pais deles quando ficam doentes.

Além do seu consultório no bairro de Moema e no Hospital Albert Einstein, onde mais você atende?

Além de Moema e do Einstein, atendo no Hospital São Luiz e em Diadema, em um núcleo de estudos espíritas, onde as crianças carentes vão uma vez por mês.

Por que um neonatologista e pediatra acaba ficando tão amigo e tão próximo da família, como é o seu caso?

Ficamos amigos das crianças e das famílias pela intimidade e proximidade que temos que ter com elas.

Às vezes, até em foro íntimo, além de acompanhar seu crescimento e desenvolvimento, concordando em alguns aspectos.

E, às vezes, orientando a forma correta nos vários setores da vida e desse crescimento.

Quantas crianças você imagina que já atendeu, desde o início da sua carreira?

Nem imagino quantas crianças já atendi, mas como fui Neonatalogista do berçário do Hospital Albert Einstein por 20 anos, calculo que passaram por minhas mãos mais de 20 mil bebês. Fora as crianças do consultório, esse número deve chegar a 50 mil, talvez.

Fale um pouco sobre a sua formação acadêmica…

Fiz Faculdade na UNITAU, Universidade de Taubaté e Residência Médica na Prefeitura de São Paulo (Hospital Municipal do Tatuapé). Na época, o Hospital Menino Jesus estava em reforma.

Fiz mestrado em Neonatologia no Hospital Albert Einstein e tenho curso de Administração Hospitalar e Pós Graduação em Alimentação do recém-nascido prematuro.

Trabalhei 20 anos no Hospital do Servidor Público Municipal, onde fui chefe da Unidade de Pediatria e Berçário e no Hospital Albert Einstein fiz parte da equipe de Neonatologia por duas décadas também.

Teve algum pediatra que te inspirou?

Fiquei ao lado, observando o atendimento e aprendendo com ele, o meu saudoso pediatra, Dr. Jaime Abovsky ao qual sempre dediquei minha profissão e agradeço muito o que ele me ensinou na teoria e na prática.

Vivemos um muito momento muito complicado dessa pandemia…Você já pegou o Covid? Se não pegou, tem medo de pegar? Como os pais dos seus pacientes e seus pacientes, as crianças, estão lidando com isso?

Nesse período de pandemia, todos estamos com receio, eu, principalmente pela minha idade, 68 anos, e minhas comorbidades (diabetes). Mas até agora não fui contaminado com o coronavírus.

Todos estão muito apreensivos com isso e meus pacientes têm se cuidado bastante. E os que apresentaram resultados positivos para Covid-19, tiveram uma evolução benigna. Consigo orientar todos muito bem e eles seguem as orientações com atenção e cuidado.

Você presta um atendimento que é muito elogiado pelos pais dos seus pacientes, extremamente humanitário, na essência da palavra. Além do seu conhecimento, dedicação e sensibilidade, diria que estas são as chaves do seu sucesso?

Acho que não existe uma “chave para o sucesso”: viemos ao mundo para sermos felizes e ajudar ao próximo. Mas, conhecimento, habilidade e atitude são importantes, além de confiança, compreensão e atualização constante. Na medicina, tudo muda e temos que estar atualizados sempre!

Quais metas têm para o futuro e onde planeja estar daqui 5 ou 10 anos?

Daqui 5 ou 10 anos, quero estar no mesmo lugar, fazendo as mesmas coisas que faço hoje. Eu me sinto pleno e feliz! Como dizia meu pai, Davis, “faça da sua profissão um hobby e você será feliz para sempre! Acho que isso eu consegui (risos).

Ser um pediatra de renome, como você é hoje, é gratificante?

É muito gratificante servir e poder ajudar as pessoas, o sucesso vem em consequência ou por causa disso, mas ajudar, acertar um diagnóstico, isso sim é mais gratificante.

Estamos chegando à nossa 100°postagem, uma marca muito importante para um trabalho sério de marketing de conteúdo, no qual você investe há anos. No que este tipo de marketing te ajudou? E qual a sua relação com esta ferramenta de divulgação do seu trabalho?

Acho que o marketing médico atualmente é uma necessidade, visto que ao escrever artigos que solucionem as dúvidas das pessoas, podemos ajudar com os seus problemas de saúde.

Além disso, auxilia muito na troca de informações e experiências entre os pacientes, colegas, equipe multidisciplinar, sempre respeitando a Ética e Honestidade, que é o principal pilar dessa vida.

Para marcar uma consulta com o Dr.Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.