Dr. Jorge Huberman

Labirintite: um problema que afeta bebês e crianças

Se você acha que a labirintite é uma doença que só acomete adultos, está cometendo um grande erro! Pelo contrário, a labirintite é um problema que afeta bebês e crianças.

No entanto, usando o tratamento adequado, os resultados no combate à doença são mais eficientes nos mais novos do que em adultos. Em primeiro lugar, é importante entendermos o panorama.

A labirintite é um processo inflamatório que atinge o labirinto – região do ouvido interno, que é responsável pelo equilíbrio. Alterações nesta parte do corpo podem ocasionar diversos sintomas, como tontura, náuseas, ansiedade, sensação de mal-estar e até mesmo os temidos ataques de pânico.

O maior problema, ao contrário do que muitos pensam, é que a labirintite pode afetar até mesmo nossos pequenos bebês! No caso das crianças, o diagnóstico acaba ocorrendo, em muitas situações, tarde demais, o que pode trazer diversos problemas para os pequenos.

Em vários casos, as crianças chegam a chorar, quando deixam o seu berço e vão para o colo da mãe. Isso ocorre exatamente porque a criança estava segura, com apoio, estável na sua cama (ou berço).

Tratamento da labirintite

Menino gesticula; labirintite: um problema que afeta crianças e até bebês

O tratamento da labirintite varia conforme a idade da criança e a gravidade da doença, ou seja, em que estágio ela se encontra. Mas a principal forma de tratar a labirintite é a utilização de medicamentos, mudanças na dieta e um acompanhamento, que é chamado de reabilitação vestibular. Neste, a criança realiza exercícios que irão fazer com que o cérebro aprenda a reutilizar essas informações de forma correta. E a pessoa deixa de ter tontura.

Nas crianças, o tratamento, sendo aplicado corretamente, é muito mais eficiente. A melhora pode chegar a 100%, principalmente quando os pequenos fazem sessões de fonoaudiologia ao menos uma vez por mês e repetem os exercícios, todos os dias, em casa.

Cabe aos pais, porém, ficarem atentos pois, apesar de serem mais comuns em adultos, as crianças também podem apresentá-la.

O principal problema é que as crianças não sabem e não conseguem descrever o que estão sentindo e por isso é importante que nós estejamos atentos a diversos sintomas que podem estar relacionados com a labirintite, tais como: mal-estar acompanhado ou não de vômito, principalmente quando as crianças estão em veículos (carros, ônibus, etc); quedas com frequência e sem explicação; dificuldade grande de aprendizado na escola; medo de escuro e também altura; além das dores de cabeça frequentes.

Labirintite: um problema que afeta bebês e crianças

Os casos de labirintite devem ser avaliados e tratados por dois especialistas da área da saúde: por um otorrinolaringologista e por um fonoaudiólogo.

Tem que se levar em conta que a gravidade da inflamação e a idade da pessoa são fatores muito importantes que pesam para a definição do tratamento: com auxílio de remédios, alguns ajustes na dieta e, também, por meio da reabilitação vestibular.

Vale lembrar: essa reabilitação é um tratamento bastante eficiente, que irá ensinar o cérebro a reutilizar essas informações de forma correta.

O diagnóstico preciso só pode ser realizado por um médico especialista após fazer uma avaliação com exame detalhados, verificando o tempo, a frequência, e a intensidade dos sintomas.

Esses exames detalhados, que devem ser feitos nestes casos, são tomografia, ressonância magnética e audiometria. Da mesma forma, como os exames dependem da causa, o tratamento também depende.

Nessa fase, é muito importante, como já dissemos, que seja feito um acompanhamento de um otorrinolaringologista e também deu um fonoaudiólogo.

Contudo, os pais não devem se preocupar pois aí vem a notícia boa: a labirintite tem cura e a mesma pode ser alcançada por meio de medicamento, ajuste na dieta, procedimentos cirúrgicos específicos e reabilitação do doente como fisioterapia, que foca no equilíbrio, reeducando o cérebro.

O pediatra e neonatalogista, Dr.Jorge Huberman, em seu consultório, no Instituto Saúde Plena fala sobre labirintite em crianças
O pediatra e neonatalogista, Dr.Jorge Huberman, em seu consultório, no Instituto Saúde Plena fala sobre labirintite em crianças

A taxa de sucesso é de cerca de 80% quando adotada esta última medida. Além desses cuidados mais técnicos, certamente os médicos irão ajustar o tratamento mais adequado para cada caso e para cada criança. Não esqueça também de consultar o pediatra da criança.

“Há outras doenças que devemos incluir no diagnóstico diferencial pois a labirintite pode ser confundida com outras condições que causam sintomas semelhantes, como a Doença de Meniere, enxaqueca e tumores (benignos ou malignos) no nervo auditivo ou vestibular, por exemplo”, diz o pediatra e neonatologista, Jorge Huberman.

Para marcar uma consulta com o pediatra e neonatologista, Dr. Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.

Blog Jorge Huberman