c

Dr. Jorge Huberman

  >  Blog   >  Importância de amamentar: evite o leite empedrado
A importância da amamentação

Importância de amamentar: evite o leite empedrado

Importância de amamentar: evite o leite empedrado! Um dos primeiros passos para cuidar da forma mais correta possível do seu filho é dar leite materno para o bebê mamar. Ou seja, a importância de amamentar o nenê é fundamental, desde o seu nascimento.

Diversas dúvidas surgem nesse momento: meu leite é forte o suficiente; tenho a quantidade necessária de leite; como posso aliviar a dor do peito; devo amamentar o recém-nascido; como evitar o empedramento do leite, entre tantas outras questões.

Para começar, é natural que a área das mamas fique um pouco desconfortável. Isso, porém, é muito comum e algumas dicas podem auxiliá-la a passar por esse momento tão especial da forma mais tranquila possível.

Logo depois do parto, os seios ainda ficam macios. No entanto, como o fluxo sanguíneo nesta região aumenta e as células que produzem leite começam a funcionar eficientemente, o peito começa a ficar mais enrijecido. No terceiro ou quarto dia depois do parto, os seios produzirão um “leite de transição” e podem ficar bem cheios.

Primeiro leite da mãe é o colostro

O primeiro leite produzido pela mãe chama-se colostro. Na verdade, ele ainda não é considerado leite, mas uma composição muito especial, riquíssima em componentes que protegerão o bebê e sua imunidade como: água, carboidratos, leucócitos e proteínas.

Ele é a única substância capaz de eliminar qualquer vestígio de mecônio do trato intestinal no nascimento do bebê. É tão importante que é considerado a primeira vacina na vida da criança pelo seu poder de proteção contra infecções e fortalecimento da imunidade.

No final da primeira semana de amamentação, você verá somente um líquido “branco” (no começo parece com leite desnatado, mas à medida que a amamentação continua, a quantidade de gordura aumenta e ele começa a parecer com o leite integral) e poderá sentir também um pouco de leite empedrado na mama. A amamentação regular do bebê deve minimizar a sensação de peitos muito cheios.

Uma dica é massagear delicadamente os seios, começando por debaixo do braço até a parte inferior do mamilo, pois, assim, pode reduzir bastante a dor, facilitando a descida do líquido, podendo evitar o empedramento do leite. Compressas frias ou mornas (dependendo da situação) colocadas nos seios também ajudam a amenizar a dor.

O leite empedrado é o mesmo que ingurgitamento mamário, e ocorre quando o peito fica muito “carregado” de leite, causando bastante desconforto e até mesmo dor com o excesso do líquido.

O ideal nestes casos é amamentar o bebê cada vez que ele tiver fome, esvaziando os seios completamente, a cada duas horas. Pode ocorrer deles ficarem tão cheios que o bebê terá dificuldade em conseguir mamar.

Caso isso aconteça, deve-se tirar um pouco de leite manualmente, ou com a ajuda de uma bomba automática, antes de amamentar o bebê. Deste modo, ele conseguirá sugar corretamente, evitando maiores dificuldades para a criança.

Procure o programa de doação de leite materno

Se você produz tanto leite que necessita tirar o excesso, pode procurar um dos programas de doação de leite materno e ajudar a salvar a vida de muitos bebezinhos!

A quantidade de leite produzida aumenta muito na 1°semana. São produzidos cerca de 15 ml a cada mamada nos primeiros dias! Após o 4° ou 5° dia, o volume de leite cresce, pois pode aumentar para 30 ml e, ao término da primeira semana, você pode passar a produzir de 60 a 180 ml a cada mamada. No final do primeiro mês, ele deve estar mamando cerca de 750 ml de leite diariamente.

Outra dica é colocar algumas gotas de leite na boca do bebê. Esse gesto vai estimular os nenês mais preguiçosos para começarem a mamar. É possível tentar também algumas técnicas que aliviam o ingurgitamento mamário.

Faça compressas com água morna e coloque sobre os seios ou tome banhos mornos, deixando cair bastante água sobre eles.

Para os casos mais sérios, as compressas ou banhos mornos podem não funcionar. Caso isso ocorra, faça compressas frias e, ao mesmo tempo, tire manualmente um pouco de leite, fazendo o esvaziamento da mama.
Ao amamentar o bebê, tente usar posições diferentes: primeiro sentada e, na vez seguinte, deitada.

Massageie com delicadeza os seios, começando por debaixo do braço até a parte inferior do mamilo. Isso deve reduzir a dor e facilitar a descida do leite. Deste modo, consegue também evitar leite empedrado.

Não tome remédios sem orientação médica!

Nunca tome medicamentos sem orientação médica. O médico saberá orientá-la caso necessite tomar algum analgésico para aliviar a dor. É um dos princípios da Neonatologia cuidar do bem-estar do bebê e de sua mãe!

Pode acontecer de o leite ficar empedrado com mais frequência no início da amamentação e isso dura apenas alguns dias enquanto o processo de lactação está se desenvolvendo.

Contudo, pode acontecer a qualquer momento, mesmo em quem já amamenta há algum tempo. Isso ocorre caso as mamadas sejam “puladas” (não sejam muito regulares) e os seios não sejam esvaziados completamente.

O pediatra é certamente a pessoa certa para fornecer todas as dicas de amamentação para uma mãe de primeira viagem, já que esta é a especialidade médica que cuida das crianças e adolescentes.

Para se ter uma ideia da importância de se amamentar, o leite materno é extremamente benéfico para as crianças, mesmo quando elas já estão na fase de consumo de outros alimentos, seguindo já uma dieta sólida, por exemplo.

O aleitamento materno, além da questão do vínculo com a mãe, evita também a temida obesidade infantil já nesta fase da vida.

O leite materno, por ser um alimento completo e produzido exclusivamente para o nenê, possui rápida passagem pelo estômago e uma absorção posterior ainda melhor, justamente para não sobrecarregar o corpo ainda em formação do bebê.

Em comparação ao leite da vaca, indiferente se ele é pasteurizado ou in natura, ele traz um trabalho redobrado ao bebê para digeri-lo. Existe até uma diminuição da quantidade de sangue no cérebro do recém-nascido para aumentar a irrigação no estômago e intestino. Com a diminuição de sangue e consequentemente de oxigênio no cérebro, o bebê fica com uma sonolência excessiva.

Recomenda-se, sempre, a amamentação materna

Aí está a explicação do porquê um nenê que mama leite de vaca dorme bem mais do que aquele que se alimenta do leite materno. Não sustenta mais, mas como rapidamente o bebê para de chorar, muitas mães acabam optando por esta comodidade para ficarem tranquilas por pelo menos mais três horas. Porém, o que se recomenda, pelo bem do seu filho é que recorra sempre que possível a amamentação materna, mesmo que isso, por vezes, cause desconforto à mamãe.