Dr. Jorge Huberman

  >  Coronavírus   >  Gestantes podem tomar vacina contra o Covid-19?
Mulher grávida tomando injeção: gestantes podem tomar vacina contra o Covid-19?

Gestantes podem tomar vacina contra o Covid-19?

Dúvida muito pertinente que nos chegou por meio de uma seguidora de uma de nossas redes sociais: gestantes podem tomar vacina contra o Covid-19?

Como após a vacinação contra outros vírus, o leite de mães lactantes vacinadas contra o Covid-19 pode excretar anticorpos gerados pela vacina na forma de IgA, que protegeria a criança do COVID-19.

As nutrizes, por serem jovens e geralmente saudáveis, não constituem, por si, grupo de risco para COVID-19 e, portanto, não têm indicação específica para vacinação.

Somente se pertencerem a um grupo de risco, como ser profissional de saúde ou sofrer de alguma das doenças crônicas de risco para Covid-19, várias instituições de saúde, sociedades médicas e consenso de especialistas acreditam que a vacinação é indicada.  

A posição contra a vacinação de mães que amamentam, adotada pelo Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, a mesma dos fabricantes carece de rigor científico, pois não leva em consideração tudo o que já se sabe sobre vacinas e amamentação; tudo indica que eles mudarão de posição em atualizações futuras.

Várias associações profissionais no Reino Unido criticaram a posição do NHS (HIFN 2020). Ou seja: a vacina do COVID-19 não deve impedir o início da amamentação ou forçar a sua interrupção.

Na verdade, segundo os especialistas, a falta de testes com gestantes e mulheres que amamentam faz com que grupos não devam ser vacinados em um primeiro momento.

Contudo, esse assunto e essa dúvida são muito relevantes pois com a proximidade da vacinação contra o novo coronavírus no Brasil, aparecem também várias dúvidas sobre quais são os grupos que devem ou não receber a imunização nessa situação atual.

Mulher grávida toma injeção em hospital: muitas dúvidas estão surgindo com a iminente vacinação da população
Mulher grávida toma injeção em hospital: muitas dúvidas estão surgindo com a iminente vacinação da população

Febrasgo defende que gestantes e mulheres que amamentam não tomem a vacina

No final de 2020, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) emitiu uma nota onde defende que gestantes, puérperas e mulheres que amamentam não tomem a vacina, pelo menos por enquanto.

Isso acontece justamente porque esse grupo não fez parte dos estudos clínicos das pesquisas.

Não há, portanto, informações consolidadas sobre possíveis riscos de aborto, parto prematuro, má-formação fetal ou até mesmo outras complicações para a gestação e a mulher.

Dizem os especialistas na área que ainda são poucos os estudos publicados sobre essas vacinas nos veículos médicos reconhecidos.

Sendo assim, é necessário esperar o impacto da imunização na população geral para ser avaliada a sua aplicação em gestantes e puérperas.

Por princípio de precaução, não há recomendação da vacinação para esse perfil de mulheres.

Os especialistas nessa área também sugerem cautela para as mulheres que estão planejando engravidar.

Dizem eles que o ideal seria deixar a gravidez para depois de ter recebido as duas doses da vacina. 

Se a mulher descobrir que está grávida após receber a primeira dose, orienta-se que ela aguarde o parto e o desmame do bebê para receber a segunda dose do imunizante.

Nenhuma das três vacinas a serem, a priori, usadas no Brasil contra o coronavírus, da Pfizer, Oxford/AstraZeneca e a Coronavac do Instituto Butantan, que já está sendo usada, é feita com uma tecnologia que costuma possui contraindicações a gestantes e mães que amamentam.

Ainda assim, não se sabe o que irá constar em suas bulas, quando todas elas forem liberadas para aplicação.

Por isso, a orientação da Febrasgo, Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, neste primeiro momento, é que esses grupos não se vacinem ainda, esperando mais um pouco até que existam mais estudos sobre os possíveis efeitos da imunização.

Mulher grávida recebe injeção no braço: estudos médicos ainda não definiram o efeito da vacina nas gestantes
Mulher grávida recebe injeção no braço: estudos médicos ainda não definiram o efeito da vacina nas gestantes

Ministério da Saúde projeta um ano para vacinar toda a população

A cautela sobre a aplicação da vacina nas gestantes e mães que amamentam não significa que a Febrasgo não esteva a favor da imunização, pelo contrário!

A entidade faz parte do grupo das sociedades médicas que assinaram um manifesto em apoio ao Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19, divulgado também no final de 2020.

O PNI prevê que os grupos de maior risco para agravamento e de maior exposição ao novo coronavírus estejam vacinados ainda nesse semestre.

O Ministério da Saúde do Brasil calcula que, no período de doze meses, posterior à fase inicial, concluirá a vacinação da população em geral.

Neste primeiro momento da vacinação estão compondo o grupo prioritário, os trabalhadores da área da saúde (incluindo profissionais da saúde, profissionais de apoio, cuidadores de idosos, entre outros); população idosa (60 anos ou mais), indígenas aldeados em terras demarcadas, comunidades tradicionais ribeirinhas e quilombolas, além da população em situação de rua.

Gestantes podem tomar vacina contra o Covid-19? Dr Jorge Huberman responde!

O pediatra e neonatologista, Jorge Huberman,  ressalta que. “Ainda pode haver mudanças nos protocolos, conforme a vacinação for aumentando. Vamos aguardar mais testes para podermos ter certeza da vacinação desse grupo”, analisa o médico.

O Dr Jorge Huberman e seu paciente, Theo: é preciso aguardar mais estudos médicos para saber se as grávidas podem tomar a vacina contra o Covid-19
O Dr Jorge Huberman e seu paciente, Theo: é preciso aguardar mais estudos médicos para saber se as grávidas podem tomar a vacina contra o Covid-19

Para marcar uma consulta com o Dr.Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.