Dr. Jorge Huberman

Exames que todo recém-nascido precisa fazer

Assim como tudo é novo na rotina quando você se torna pai, o mundo ao redor também é uma caixinha de surpresas para o seu filho. Como ele ainda é muito sensível e delicado, existem alguns exames que todo recém-nascido precisa fazer para se adaptar à exposição no novo ambiente.

Logo nos primeiros dias de vida, é necessário que o bebê passe por uma série de exames, inclusive alguns antes mesmo de deixar a maternidade. São eles que podem ajudar a diagnosticar precocemente algumas doenças, garantindo um melhor prognóstico.

Os testes conseguem identificar a presença de alterações que indiquem possíveis doenças genéticas ou metabólicas. Como muitas delas podem não mostrar sintomas logo no nascimento, fazer o diagnóstico precoce é uma grande oportunidade para garantir o bem-estar do seu filho.

Além disso, esses exames também podem ajudar a identificar problemas de visão, de audição e a presença de língua presa, por exemplo. No Brasil, os testes do pezinho, do olhinho, da orelhinha, da linguinha e do coraçãozinho são obrigatórios.

Antes de conferir os exames que todo recém-nascido precisa fazer, lembre-se em conversar com o pediatra do seu filho e seguir as instruções dele. O médico especialista é o seu principal aliado quando o assunto é cuidar da saúde da criança. “É muito importante fazer a consulta pré-natal para que o pediatra explique esses exames, como são feitos e a utilidade dele”, explica o pediatra e neonatologista Jorge Huberman.

O pediatra e neonatalogista, Dr.Jorge Huberman, em seu consultório, no Instituto Saúde Plena fala sobre exames que todo bebê deve fazer
O pediatra e neonatalogista, Dr.Jorge Huberman, em seu consultório, no Instituto Saúde Plena fala sobre exames que todo bebê deve fazer (Foto: Kesher Conteúdo/Divulgação)

Teste do pezinho é um dos exames que todo recém-nascido precisa fazer

Também conhecido como triagem neonatal, o teste do pezinho leva esse nome por ser realizado a partir de gotas de sangue coletadas do calcanhar do bebê. É um exame obrigatório feito em recém-nascidos, entre o 2º e o 5º dia de vida, disponível pela rede pública de saúde.

A versão básica do teste do pezinho, a principal, é obrigatória em recém-nascidos de todo o Brasil. Ela pode identificar até seis doenças:

  • Anemia falciforme:

Enfermidade genética e hereditária causada por uma alteração nas estruturas das moléculas de hemoglobina – no formato dos glóbulos vermelhos do sangue, reduzindo a capacidade de transportar oxigênio para várias partes do corpo.

Essa alteração pode provocar atrasos no desenvolvimento de alguns órgãos, além de aumentar o risco de obstrução dos vasos sanguíneos, o que pode levar a dor generalizada, fraqueza e apatia, influenciando negativamente o crescimento e desenvolvimento do bebê.

  • Deficiência de biotinidase:

Doença metabólica na qual o organismo não consegue obter a vitamina biotina da maneira adequada. A ausência dela manifesta-se, geralmente, a partir da sétima semana de vida, por distúrbios neurológicos e cutâneos, como atraso do desenvolvimento neuropsicomotor, dermatite eczematóide, crises epiléticas, microcefalia, hipotonia, e alopécia.

Pacientes diagnosticados tardiamente apresentam distúrbios visuais e auditivos, além de atraso motor e de linguagem.

  • Fenilcetonúria:

Patologia genética rara provocada pela ausência ou diminuição da atividade da enzima hidroxilase, que pode provocar danos cerebrais, deficiência intelectual e convulsões. A doença é causada por deficiência no metabolismo do aminoácido fenilalanina, que ao se acumular no organismo lesiona o cérebro e provoca retardo mental.

  • Fibrose cística:

Doença hereditária que faz com que certas glândulas produzam secreções anormalmente espessas, resultando em lesões a tecidos e órgãos, especialmente nos pulmões, pâncreas e trato digestivo. Pode provocar má absorção intestinal, o que faz com que a criança não ganhe peso, ainda que se alimente bem.

  • Hipotireoidismo congênito:

Alteração metabólica em que a tireoide do bebê não consegue produzir as quantidades adequadas dos hormônios tireoidianos, o T3 e o T4,  necessário ao desenvolvimento do sistema nervoso. Isso desacelera o metabolismo, impedindo o crescimento adequado e o desenvolvimento físico e mental do bebê, podendo provocar alterações neurológicas permanentes caso não seja devidamente identificada e tratada.

  • Hiperplasia adrenal congênita:

Distúrbio genético que afeta as glândulas suprarrenais, localizadas próximas aos rins. A doença consiste na deficiência de uma enzima responsável pela produção de hormônios. Ocorre a redução na produção do cortisol e da aldosterona, e o aumento da produção dos andrógenos.

Na versão ampliada, o teste do pezinho consegue identificar ainda outras doenças como: toxoplasmose congênita, galactosemia, deficiência de leucinose e glicose-6-fosfato desidrogenase.

A criança deve continuar fazendo os exames prescritos pelo pediatra
A criança deve continuar fazendo os exames prescritos pelo pediatra (Foto: Freepik)

A versão expandida do teste teve a aprovação publicada no Diário Oficial em maio de 2021 e entrará em vigor em maio do próximo ano. É uma série de exames para identificar até 40 doenças, desde problemas genéticos e metabólicos até doenças infecciosas.

Ele não faz parte dos exames gratuitos obrigatórios, e é indicado quando a mãe teve alguma alteração durante a gravidez. Quanto mais cedo o diagnóstico é feito, melhores são as chances de intervenções e tratamentos precoces para que o bebê tenha um desenvolvimento saudável.

Teste do olhinho

Obrigatório, o teste do olhinho, ou também chamado de teste do reflexo do olho vermelho, é um exame gratuito feito para detectar alterações oculares e prevenir precocemente qualquer problema ocular que possa surgir futuramente no seu filho.

De acordo com a recomendação do Ministério da Saúde, o teste deve ser realizado em todos os recém-nascidos a partir do 2º dia de vida. Ele pretende detectar precocemente uma série de doenças oculares no bebê, como catarata infantil, retinoblastoma, glaucoma ou estrabismo.

Rápido e totalmente indolor, o exame consiste na projeção de um raio de luz nos olhos do recém-nascido. Quando a luz refletida no fundo do olho é avermelhada, alaranjada ou amarelada, os olhos estão saudáveis. No entanto, se a luz refletida é esbranquiçada, a criança deverá ser encaminhada para a avaliação oftalmológica especializada.

Embora o resultado tenha sido  normal, o acompanhamento periódico com o médico é fundamental pelo menos até os 5 anos de vida da criança, para garantir que os olhos estejam se desenvolvendo corretamente.

Exames que todo recém-nascido precisa fazer: Teste da orelinha

A triagem neonatal auditiva é um exame obrigatório que detecta possíveis problemas auditivos leves ou graves no bebê. Deve ser feito entre o 2º e 3º dia de vida do recém-nascido. É indolor e pode ser feito até mesmo enquanto o bebê estiver dormindo.

Para realizar o exame, geralmente a fonoaudióloga coloca no bebê um aparelho similar a um fone de ouvido, ligado a um equipamento que produz estímulos sonoros leves que identificam traços de surdez. O médico analisa o retorno desses estímulos nas estruturas do ouvido interno.

Se alguma alteração é identificada, o recém-nascido é encaminhado para realizar exames complementares. No campo da audição, existem graus, mas casos em que não exista nenhum tipo de tratamento são bastante raros, especialmente quando o diagnóstico é feito precocemente.

Teste do coraçãozinho

A oximetria de pulso, popularmente conhecida como teste do coraçãozinho, pretende medir a oxigenação e batimentos cardíacos do recém-nascido para diagnosticar possíveis alterações congênitas e doenças cardíacas como defeitos nas válvulas do coração.

O procedimento obrigatório é feito entre o primeiro e segundo dia de vida, com um aparelho chamado oxímetro, uma espécie de pulseira, colocada no membro superior direito e no membro inferior esquerdo do bebê para avaliar a oxigenação do sangue.

Se o equipamento apontar grande diferença de parâmetros entre um membro e outro, a criança pode ter algum problema cardíaco e, a partir disso, outros exames serão solicitados, como o ecocardiograma, que confirma ou exclui o risco de doenças cardíacas.

Teste da linguinha é um dos exames que todo recém-nascido precisa fazer

Exame obrigatório feito por fonoaudiólogos que verifica se há alterações na espessura do frênulo lingual – na membrana que liga a parte inferior da língua à base da boca. Ele identifica limitações dos movimentos da língua que podem comprometer funções como sugar, engolir, mastigar e falar.

Teste do quadril

O teste do pezinho consegue identificar uma série de doenças
O teste do pezinho consegue identificar uma série de doenças (Foto: Freepik)

Exame clínico, em que o pediatra examina o movimento das pernas do bebê. É geralmente realizado na maternidade e na primeira consulta com o pediatra. O objetivo do teste é identificar alterações no desenvolvimento do quadril, como encurtamento do membro e osteoartrose precoce, que destrói a cartilagem que reveste o osso.

Fora da maternidade

Não pense que após sair da maternidade os exames acabam. Embora os principais procedimentos  tenham sido feitos, ainda existem outros testes fundamentais para serem feitos ao longo do crescimento para garantir que o seu filho cresça e se desenvolva da forma correta.

É por esse motivo que ter por perto um pediatra de confiança faz toda a diferença! Faça o acompanhamento periódico e escute o que o especialista te diz. Assim, seu filho tem tudo para crescer e se desenvolver de forma leve e saudável.

Para marcar uma consulta com o pediatra e neonatologista Dr. Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701

Blog Jorge Huberman