Dr. Jorge Huberman

Engasgo infantil: por que pode ser fatal e como prevenir?

Como pais, nada é mais aterrorizante do que ver nossos filhos pequenos em perigo, sobretudo quando estamos tratando de engasgo infantil. A asfixia é um perigo comum que pode rapidamente se transformar em uma situação de risco de vida para bebês.

Compreender as causas e os métodos de prevenção é fundamental para manter seu bebê seguro.

Você sabia que a asfixia é uma das principais causas de lesão não intencional e morte em bebês? Suas vias aéreas subdesenvolvidas e a falta de habilidades alimentares os colocam em alto risco. Neste artigo, exploraremos os motivos pelos quais a asfixia de bebês pode ser fatal e forneceremos dicas essenciais sobre como evitá-la.

Desde a introdução de alimentos sólidos até a escolha de brinquedos apropriados para a idade, nós o orientaremos sobre as precauções que você pode tomar para minimizar o risco. Você também aprenderá o procedimento correto para responder a uma emergência de asfixia, inclusive quando e como realizar golpes nas costas e a manobra de Heimlich em um bebê.

Mantenha-se informado, preparado e, o mais importante, mantenha seu filho seguro!

Os perigos da asfixia de bebês

A asfixia é uma das principais causas de lesões e mortes não intencionais em bebês, sendo importante entender os perigos envolvidos. Existem situações que podem levar ao sufocamento de bebês; é essencial conhecê-las para poder evitá-las.

Uma das principais causas é a obstrução das vias aéreas por objetos pequenos, como alimentos, brinquedos ou até mesmo pedaços de móveis. Os bebês têm tendência natural a colocar tudo o que encontram na boca: isso aumenta o risco de sufocamento. Além disso, sua falta de habilidades motoras e falta de entendimento dos perigos podem levar a situações perigosas.

É fundamental estar ciente dos perigos de sufocamento em bebês para poder tomar as medidas adequadas de prevenção.

Engasgo infantil: riscos comuns de asfixia para bebês

Existem vários riscos comuns de sufocamento que os pais devem estar atentos para manter seus bebês seguros. Além da obstrução das vias aéreas por objetos pequenos há outras situações que representam perigo.

Um dos riscos mais comuns é o uso inadequado de berços ou camas. É importante garantir que o berço do nenê esteja livre de qualquer objeto solto, como travesseiros, cobertores ou brinquedos de pelúcia. Esses objetos podem se tornar um risco de sufocamento, especialmente quando o bebê não tem controle de movimentos.

Outro perigo a ser considerado é o uso inadequado de dispositivos para dormir, como travesseiros posicionadores, almofadas de posicionamento e coleiras para dormir. Esses objetos podem parecer seguros, mas, na verdade, restringem as vias aéreas do bebê e aumentam o risco de asfixia.

Além disso, é importante ter cuidado ao alimentar o nenê. Caso contrário, alimentos sólidos podem se tornar um risco de sufocamento. É necessário garantir que os alimentos sejam oferecidos em tamanhos apropriados e que o bebê esteja supervisionado durante a alimentação.

Esses são apenas alguns dos riscos comuns de sufocamento para bebês. É essencial estar ciente dessas situações e tomar as precauções adequadas para evitar acidentes.

Sinais e sintomas de asfixia do bebê

Bebê com os lábios e a bochecha cheios de restos de comida: é essencial reconhecer os sinais e sintomas de sufocamento em bebês para poder agir rapidamente
Bebê com os lábios e a bochecha cheios de restos de comida: é essencial reconhecer os sinais e sintomas de sufocamento em bebês para poder agir rapidamente. Foto: Freepix

É crucial reconhecer os sinais e sintomas de sufocamento em bebês para poder agir rapidamente em uma situação de emergência. Os bebês podem não ser capazes de comunicar sua angústia verbalmente, então é importante estar atento aos sinais físicos.

Os sinais de sufocamento em bebês podem incluir dificuldade em respirar, falta de ar, tosse persistente, estridor (barulho anormal na respiração) e coloração azulada nos lábios ou rosto. Esses são sinais de que as vias aéreas do bebê estão obstruídas e que uma ação imediata é necessária.

Se você notar algum desses sinais no pequeno, é importante agir rapidamente.

Ações imediatas a serem tomadas quando um bebê estiver engasgado

Quando um bebê está sufocando, é importante agir rapidamente para remover a obstrução das vias aéreas e garantir que ele consiga respirar novamente. Existem medidas que podem ser tomadas para ajudar um bebê em uma situação de sufocamento, mas é essencial saber quais são essas ações e como executá-las.

A primeira é verificar se o nenê está realmente sufocando. Caso esteja tossindo ou fazendo barulhos, é um sinal de que está tentando expelir a obstrução sozinho. Nesse caso, é recomendado não fazer nada, pois a tosse é uma resposta natural do corpo para desobstruir as vias aéreas.

No entanto, se o bebê não estiver fazendo nenhum som ou não conseguir respirar, é necessário agir imediatamente. A técnica de golpes nas costas é uma das primeiras medidas a serem tomadas em bebês com mais de 1 ano de idade. Para realizar essa técnica, siga essas etapas:

1. Segure o bebê de bruços em seu antebraço, com a cabeça mais baixa que o corpo.

2. Dê até cinco golpes firmes nas costas do bebê, usando a parte de trás da mão.

3. Continue verificando se a obstrução foi removida após cada golpe.

Se a técnica de golpes nas costas não funcionar, realize a manobra de Heimlich em bebês com mais de 1 ano de idade. Para essa técnica, siga essas etapas:

1. Fique atrás do bebê e coloque seus braços em volta da cintura dele.

2. Faça um punho com uma das mãos e segure-o com a outra mão.

3. Dê até cinco compressões rápidas e firmes no abdômen do bebê, acima do umbigo.

É importante lembrar que essas técnicas devem ser realizadas com cuidado e apenas quando necessário. Se você não se sentir confiante em realizá-las ou se elas não estiverem funcionando, chame imediatamente o serviço de emergência.

Treinamento em RCP e primeiros socorros para bebês

O treinamento de RCP (ressuscitação cardiopulmonar) e primeiros socorros para bebês é uma habilidade valiosa aos pais. Essas habilidades são essenciais em situações de emergência: nenê sufocando ou parando de respirar.

Existem cursos de treinamento de RCP e primeiros socorros voltados para bebês, que ensinam técnicas seguras e eficazes de ressuscitação e atendimento de emergência. Esses cursos são ministrados por profissionais de saúde e oferecem combinações de instruções teóricas e práticas.

Participar de um treinamento de RCP e primeiros socorros para bebês pode fornecer habilidades necessárias para agir em emergências e salvar a vida dele.

Proteção do bebê em casa para evitar riscos de asfixia

Bebê se enrola e se suja todo ao tentar comer macarrão: a casa é o lugar onde os bebês passam a maior parte do tempo: é essencial torná-la um ambiente seguro para evitar riscos de sufocamento
Bebê se enrola e se suja todo ao tentar comer macarrão: a casa é o lugar onde os bebês passam a maior parte do tempo: é essencial torná-la um ambiente seguro para evitar riscos de sufocamento. Foto: Freepix

A casa é o lugar onde os bebês passam a maior parte do tempo: é essencial torná-la um ambiente seguro para evitar riscos de sufocamento. Existem medidas que podem ser tomadas para proteger seu nenê e minimizar os perigos potenciais.

O primeiro passo é garantir que o berço do bebê seja seguro. Remova do berço objetos soltos, como travesseiros e cobertores. Use colchões firmes e ajustados ao berço e certifique-se que as grades estejam espaçadas para evitar o risco de enfiar a cabeça entre elas.

Além disso, é tome cuidado com os dispositivos para dormir. Evite o uso de travesseiros posicionadores e almofadas de posicionamento, pois eles podem restringir as vias aéreas do bebê.

Outro passo importante é garantir alimentação segura para o bebê. Introduza alimentos sólidos em tamanhos apropriados e evite alimentos que possam representar riscos de sufocamento, como uvas inteiras, nozes e pedaços grandes de alimentos. Supervisione sempre a alimentação do bebê e evite distrações durante a refeição.

Essas são apenas algumas medidas que podem ser tomadas para proteger seu bebê. Cada casa é única: é importante avaliar os possíveis perigos de sufocamento específicos do seu ambiente e tomar as precauções adequadas.

Práticas seguras de alimentação para bebês

A alimentação é uma parte crucial do desenvolvimento do bebê, mas também pode representar um risco de sufocamento se não for feita corretamente. É importante seguir práticas seguras de alimentação para bebês e garantir que os alimentos sejam oferecidos de maneira adequada.

Quando começar a introduzir alimentos sólidos, comece com alimentos amassados ou em purê e vá aumentando gradualmente a textura à medida que o bebê se acostuma. Evite dar alimentos sólidos a nenês com menos de 6 meses de idade, pois suas vias aéreas e habilidades de mastigação ainda estão em desenvolvimento.

Corte alimentos em tamanhos pequenos e fáceis de mastigar para evitar o risco de sufocamento. Evite alimentos duros, pegajosos ou que possam se desprender facilmente em pedaços grandes. É importante sempre supervisionar a alimentação do bebê e estar atento a sinais de sufocamento.

Além disso, evite distrações durante as refeições. Desligue a TV e mantenha o ambiente calmo e tranquilo para que o bebê possa se concentrar na alimentação. Isso ajudará a reduzir o risco de engasgo e sufocamento.

Seguir práticas seguras de alimentação para bebês é essencial para garantir que a alimentação seja uma experiência segura e agradável. Esteja atento às recomendações de segurança alimentar e consulte o pediatra do seu bebê para obter orientações específicas.

“Engasgos leves não são tão graves assim. Aliás, a criança permanecer respirando, mesmo que com dificuldade, ou chorando, tossindo, são sinais de que ela não está com um engasgo total e ainda está com as vias respiratórias livres, mesmo que parcialmente”, explica o pediatra Jorge Huberman.

“É importante deixar a criança chorar ou tossir e jamais tentar tirar com as mãos o que está dentro da boca dela”, diz o neonatologista.

O pediatra Jorge Huberman em seu consultório em Moema: “é importante deixar a criança chorar ou tossir e jamais tentar tirar com as mãos o que está dentro da boca dela.
O pediatra Jorge Huberman em seu consultório em Moema: “é importante deixar a criança chorar ou tossir e jamais tentar tirar com as mãos o que está dentro da boca dela. Foto: Chico Audi

Introdução de alimentos sólidos com segurança para evitar engasgos (h3)

Como pai ou cuidador, você desempenha um papel fundamental na proteção do bebê e na prevenção de situações de sufocamento. Aqui estão algumas dicas importantes para ajudá-lo a evitar o risco de sufocamento em bebês:

1. Mantenha uma vigilância constante sobre o nenê, especialmente durante a alimentação e brincadeiras.

2. Remova objetos pequenos e brinquedos que possam representar um risco de sufocamento do alcance do bebê.

3. Mantenha o ambiente do nenê limpo e livre de poeira, pelos de animais e outros alérgenos que possam causar problemas respiratórios.

4. Nunca deixe o bebê dormir em superfícies macias, como sofás ou almofadas, pois isso aumenta o risco de sufocamento.

5. Esteja preparado para agir em caso de emergência. Tenha conhecimento das técnicas de primeiros socorros e mantenha os números de emergência à mão.

Seguir essas dicas ajudará a garantir que seu bebê esteja seguro e protegido contra o risco de sufocamento. Lembre-se de que a prevenção é a chave

Dicas para pais e cuidadores para evitar asfixia em bebês (h4)

A introdução de alimentos sólidos na dieta do bebê é um marco emocionante no desenvolvimento, mas também pode apresentar riscos de engasgos. Aqui estão algumas dicas para ajudar os pais a introduzir alimentos sólidos de forma segura e minimizar o risco de engasgo:

1. Escolha o momento certo: a introdução de alimentos sólidos deve ocorrer quando o bebê estiver pronto, geralmente entre 4 e 6 meses de idade. Certifique-se de que seu nenê esteja mostrando sinais de prontidão, como controle da cabeça, interesse pela comida e capacidade de sentar com apoio.

2. Comece com texturas suaves: ao iniciar os alimentos sólidos, opte por alimentos com texturas suaves e fáceis de engolir, como purês e alimentos amassados. Evite alimentos duros, como nozes e sementes, que podem representar um risco maior de engasgo.

3. Corte em pequenos pedaços: ao introduzir alimentos sólidos em forma de pedaços, certifique-se de cortá-los em tamanhos adequados para o bebê. Isso reduzirá o risco de engasgo, permitindo que o nenê mastigue e engula com mais facilidade.

Lembre-se de sempre supervisionar seu bebê durante as refeições e esteja preparado para agir em caso de engasgo. Mantenha-se atualizado sobre as técnicas de primeiros socorros para nenês e tenha à mão os números de emergência relevantes.

Conclusão: importância de estar preparado e ser proativo na prevenção de engasgamento de bebês

Além da introdução segura de alimentos sólidos, existem outras medidas que os pais e cuidadores podem tomar para evitar o sufocamento em bebês. Aqui estão algumas dicas importantes a serem consideradas:

1. Escolha brinquedos adequados à idade: ao selecionar brinquedos para o seu bebê, certifique-se de escolher aqueles que sejam apropriados para a idade e não contenham peças pequenas que possam ser engolidas acidentalmente. Verifique as recomendações de faixa etária e a presença de selos de segurança em brinquedos.

2. Mantenha objetos pequenos fora do alcance: verifique regularmente o ambiente em que o nenê está para garantir que não haja objetos pequenos, como botões, moedas ou outras peças que possam ser facilmente engolidas. Mantenha esses objetos fora do alcance do bebê e esteja atento a itens que possam cair no chão.

3. Evite alimentos de alto risco de engasgo: alguns alimentos são especialmente propensos a causar engasgos em bebês, como uvas, salsichas, pipoca e doces duros. Evite oferecer esses alimentos até que o nenê tenha idade suficiente para lidar com eles adequadamente.

Lembre-se de que a supervisão é essencial para a segurança do pequeno. Esteja sempre presente durante as brincadeiras e as refeições e esteja preparado para agir rapidamente em caso de emergência. Conhecer as técnicas de primeiros socorros, como a manobra de Heimlich para bebês, pode fazer a diferença entre uma situação de risco de vida e uma resposta eficaz.

Para marcar uma consulta com o pediatra Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701 / whatsapp – (11) 97144-7939.

Blog Jorge Huberman