Dr. Jorge Huberman

  >  Novidades   >  Doenças que atingem crianças na primeira infância
Avó e mãe cuidam de bebê: doenças que atingem crianças na primeira infância

Doenças que atingem crianças na primeira infância

As doenças que mais atingem as crianças na primeira infância causam preocupação para os seus pais. Entre elas estão as infecções no ouvido, na garganta, as alergias, doenças virais, gripes e resfriados.

Em primeiro lugar, é bom que se esclareça: a 1°infância é a fase da vida dos nossos pequenos que se inicia na gestação e dura até os seis anos de idade da criança.

Esse período também pode ser dividido em duas partes: a “primeiríssima” infância, que começa durante a gestação e vai até os três anos de idade; e o período seguinte, quando a criança está na faixa etária dos 4 aos 6 anos de idade.

Ter filhos saudáveis é o sonho de todos os pais!

Contudo, nem sempre tudo sai conforme planejamos ou desejamos, mesmo com toda a dedicação do pai e da mãe ao seu bebê.

Ainda que todas as prevenções básicas recomendadas pela OMS, Organização Mundial de Saúde,  sejam seguidas à risca, isso não garante que nossos filhos serão 100% saudáveis.

No entanto, há diversas medidas que podem ser feitas pelos pais para colaborar na prevenção e no cuidado das doenças que são mais comuns na infância.

Uma delas por exemplo é a alergia. A mesma pode ser provocada por vários fatores, como ácaros, fungos, alimentação, pelos de animais, e, até mesmo, o pólen das flores.  

Os sintomas das alergias variam muito, já que dependem da sua causa.

Para citar um exemplo, a alergia alimentar tem uma tendência de provocar coceiras, diarreia, dor de cabeça, no abdômen, entre outros sintomas.

Já na alergia respiratória, é possível ocorrer congestão nasal, tosse, espirro, e percebe-se algum chiado no peito.   

Da mesma forma, picadas de insetos também ocasionam algumas alergias, como vermelhidão e coceira, que podem durar até mesmo 10 dias.

Doenças que atingem crianças na primeira infância: consulte seu pediatra!

Bebê chorando no colo da mãe: alergias de origem alimentar podem ocorrer por influência de algum conservante
Bebê chorando no colo da mãe: alergias de origem alimentar podem ocorrer por influência de algum conservante

Enquanto isso, as alergias que têm origem alimentar podem ocorrer por influência de algum conservante, proteína ou corante.

É fundamental que o pediatra da família saiba diagnosticar o que está correndo.

E, assim, orientar o tratamento adequado.

No entanto, recomenda-se deixar a casa bem arejada, e evitar os objetos que acabam acumulando pó.

Com certeza, essa é uma medida preventiva que poderá ajudar a evitar doenças alérgicas.

Entre os exemplos que acumulam pó e podemos citar, estão os tapetes, bichos de pelúcia e as cortinas.

As infecções são, da mesma forma, bastante temidas pelos pais, sendo as principais delas a infecção no ouvido e a infecção na garganta.

A primeira, também chamada de otite média, aparece quando há acúmulo de secreção no ouvido, causada por gripe ou mesmo resfriado.  

Nos nenês, isso pode acontecer quando eles estão mamando na posição horizontal e o leite acaba escoando até o ouvido.

Esse fator pode acabar provocando a proliferação das bactérias.

É normal que isso ocorra ao menos uma vez até os 5 anos de idade da criança.

Em alguns casos, seu tratamento é realizado com antibióticos.

Como sabemos, os bebês pedem maior atenção dos pais porque não falam.

Sendo assim, alguns indícios de otite são a febre e o choro intenso.

Já a otite externa é caracterizada por um quadro de saúde considerado um pouco mais brando, por exemplo, pelo excesso de umidade, o que é bastante normal quando nossas crianças permanecem por um longo período em locais como piscina ou mesmo na praia.

Quando essa situação ocorrer, o ideal é que os pais sequem bem os seus ouvidos com uma toalha.

Recomenda-se que se evite a utilização de cotonetes para essa finalidade.

A infecção na garganta e os problemas virais

Bebê usando fraldas e chorando: tratamento é realizado para aliviar os sintomas. entre as medicações usadas estão os analgésicos e os antitérmicos
Bebê usando fraldas e chorando: tratamento dos problemas virais é realizado para aliviar os sintomas; entre as medicações usadas estão os analgésicos e os antitérmicos

Já as doenças virais como sarampo, rubéola, caxumba e catapora são causadas por vírus.

As mesmas são transmitidas a através da saliva e levam entre 5 e 14 dias para que entre em remissão espontânea.

O tratamento é realizado para aliviar os sintomas. Entre as medicações usadas estão os analgésicos e também os antitérmicos.

Eles também atuam para prevenir determinadas complicações, como a pneumonia,  quando a criança é acometida pelo sarampo.

Todas essas doenças podem ser prevenidas com a mesma vacina: a tetra viral que é aplicada em dose única quando a criança completa 15 meses de vida.

Cada uma dessas doenças tem características próprias: manchas no corpo, tosse, coriza. Febre e falta de apetite.

As mesmas devem ser relatadas ao pediatra e neonatologista com a maior urgência.

O quanto antes, melhor!

As gripes e os resfriados possuem características diversas e são ocasionadas por diferentes vírus.

Em ambas as situações, a forma de contágio mais conhecida é a saliva, sendo que ela é eliminada tanto na tosse como também no espirro.

O resfriado tem como característica ser um pouco mais brando do que a gripe.

Nesse caso, a criança apresenta coriza e também irritação das mucosas.

Já a gripe é um pouco mais severa: a criança tem febre, cansaço e dor muscular.

Em ambas as situações, o tratamento é realizado para aliviar os sintomas já que o nosso corpo consegue, naturalmente, se auto-regular.

Desse modo, é essencial que os pais mantenham os seus filhos, principalmente quando muito jovens com a imunidade em dia, ou seja, em alta.

Sistema imunológico da criança é considerado como imaturo

O neonatologista Jorge Huberman durante consulta ao paciente Antônio: cuidados durante a gestação também contribuem para que o bebê seja saudável
O neonatologista Jorge Huberman durante consulta do paciente Antônio: cuidados durante a gestação também contribuem para que o bebê seja saudável

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, todas as doenças citadas, ocorrem, essencialmente, nos pequenos já que até os 2 anos de idade o sistema imunológico da criança é considerado como parcialmente imaturo.

No entanto, os pais podem enfrentar essas doenças dos seus filhos com certos cuidados, como amamentação, um sono tranquilo, higienização frequente, vacinação em dia e uma alimentação adequada.

É necessário proteger as crianças, sim, mas não devemos colocá-las em uma bolha já que se protegê-las muito, em excesso, o seu organismo não irá conseguir realizar suas defesas naturais.

Os pais têm que ter em mente que as doenças fazem parte da vida de uma criança.

Isso é natural. Mas, certamente, com atitudes preventivas eles podem ter menos preocupações, ficando, portanto, mais perto dos seus filhos, já que os mesmos estarão saudáveis.

“Da mesma forma, jamais podemos esquecer que os cuidados durante a gestação também contribuem para que o bebê seja saudável”, afirma o neonatologista Jorge Huberman.

“As refeições diárias devem conter carboidratos integrais (arroz integral, pães, aveia), proteínas (de origem animal: carne bovina, peixe, frango, ovos), hortaliças, legumes e frutas, além de laticínios (leite, iogurte) e gorduras boas (oleaginosas, abacate, azeite de oliva). Além disso, tomar o ácido fólico é muito importante!”, ressalta o pediatra Jorge.

Para marcar uma consulta com o pediatra e neonatologista, Dr.Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.