Dr. Jorge Huberman

Coqueluche: o que é e quais são seus sintomas?

Muitas pessoas ainda têm diversas dúvidas sobre a coqueluche: o que é e quais são seus sintomas? Mais ainda, como conseguimos preveni-la?  

Em primeiro lugar, é bom ressaltar que a coqueluche é uma infecção contagiosa que atinge as vias respiratórias, que são responsáveis por levar o ar até os nossos pulmões.

A coqueluche é causada pela bactéria Bordetella pertussis e também é classificada como “tosse convulsa”, já que um dos seus principais sintomas é que a tosse possui um som diferente, parecido com um assobio.

Em bebês, a coqueluche é bastante comum, sendo que a doença é altamente contagiosa: uma pessoa pode transmiti-la para outra facilmente. Para impedir que os filhos desenvolvam a doença, os pais precisam garantir que a vacina da coqueluche seja dada aos pequenos ainda em seus dois primeiros anos de vida.

Os adultos também podem desenvolver a doença, mas é importante saber que os idosos e as crianças integram o grupo de risco. A coqueluche pode oferecer algum perigo já que ela pode levar a complicações pulmonares, que podem ter como consequências muito serias, uma pneumonia e até mesma uma parada respiratória.

Conheça os sintomas de coqueluche!

A coqueluche é uma doença que tem sintomas progressivos, durando várias semanas, sendo dividida em duas fases, com sinais que são progressivos.

Na primeira etapa da doença, chamada de estágio catarral, os sintomas se assemelham aos da gripe.

Os principais sinais de coqueluche, são:

 Tosse com silvo, que ocorre em acessos e de forma contínua;

 Acessos de tosse, que podem fazer com que o paciente não consiga respirar entre uma tosse e outra;
Quando o paciente tenta respirar fundo, pode emitir sons que mostram alguma dificuldade;
Coriza; febre; mal-estar, falta de ar, cansaço excessivo; vômitos pelo esforço durante os acessos de tosse e lábios e extremidades azuladas por causa da falta de ar.

Como ocorre a transmissão da coqueluche? Qual é o seu tratamento?

Pais consolam e medicam filha doente: saiba quais são os tratamentos e como prevenir a coqueluche
Pais consolam e medicam filha doente: saiba quais são os tratamentos e como prevenir a coqueluche

A transmissão da coqueluche se dá por meio do contato direto com um paciente que está doente ou com as secreções emitidas pela pessoa que está com a coqueluche.

Para trata-la, é necessário que o paciente fique em isolamento, evitando assim que outras pessoas desenvolvam a doença, já que não terão contato com o indivíduo infectado.

O tratamento da coqueluche é feito através de diversos medicamentos, que aliviam os sintomas e a tosse constante, fora o uso de oxigênio, que trata a falta de ar.

Curiosamente, xaropes e medicamentos que são utilizados quando estamos gripados, não surtem  nenhum efeito nas pessoas infectadas com a coqueluche.

O paciente tem que ficar em repouso, tomar bastante água e usar talheres e copos somente para si, evitando a contaminação de outras pessoas.

Para prevenir essa situação, a vacina da coqueluche é a melhor solução.

Somente as pessoas que já tenham adquirido a doença ou recebido a vacina DTP não têm o risco de adquiri-la.

Não há característica individual que predisponha à doença, a não ser a presença ou ausência de imunidade específica.

Graças aos programas de vacinação existentes há muitos anos no país, a ocorrência de casos de coqueluche no Brasil vem sendo reduzida. Há cerca de 40 anos, entre 1981 e 1991, a cada ano, eram notificados mais de 36 mil casos.

Pontos chave sobre a coqueluche: o que é e quais são seus sintomas?

A coqueluche é uma infecção respiratória que pode ocorrer a qualquer momento, em qualquer idade do indivíduo. No entanto, é mais comum e até mais provável que seja fatal, em crianças recém-nascidas e que tenham somente até seis meses de vida.

A fase catarral é seguida por uma etapa que tem episódios repetidos, tanto de tosse rápida, como também consecutiva, seguidas de inspiração profunda apressada.

A coqueluche dura aproximadamente 7 semanas, porém a tosse pode continuar ainda por vários meses.

É muito importante que ela seja diagnosticada tendo como base o uso do exame de PCR. Tratar com um antibiótico macrolideo ajuda a melhorar os sintomas da doença, principalmente durante a fase catarral. O mesmo também auxilia a diminuir bastante a transmissão da doença.

“É sempre útil saber que a coqueluche é rara”, afirma o pediatra Jorge Huberman.   

O pediatra e neonatalogista, Dr.Jorge Huberman, em seu consultório, no Instituto Saúde Plena fala sobre coqueluche
O pediatra e neonatalogista, Dr.Jorge Huberman, em seu consultório, no Instituto Saúde Plena fala sobre coqueluche. (Foto: Kesher Conteúdo/Divulgação)

“No Brasil, há menos de 150 mil casos da doença, que pode ser evitada com vacina. Seu tratamento é feito com auxílio médico. Além disso, ela se propaga de várias formas e requer um diagnóstico médico”, explica o neonatologista.

“Frequentemente, são exigidos exames laboratoriais ou de imagem. É uma comorbidade que se resolve a curto prazo, em poucos dias ou semanas”, finaliza o Dr.Jorge.

Para marcar uma consulta com o pediatra e neonatologista, Dr. Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.

Blog Jorge Huberman