Dr. Jorge Huberman

Compulsão alimentar infantil: como identificar e prevenir

A compulsão alimentar infantil é um dos maiores problemas que os pais enfrentam atualmente. Principalmente, se levarmos em conta que o hábito alimentar dos filhos é uma questão muito importante para os pais. Como tudo na vida, esse ponto tem dois lados. Existem as crianças que comem pouco, ou seja, dão muito trabalho para os pais nas refeições.

Assim como também, existem os pequenos que comem muito e possuem alguma tendência para a compulsão alimentar.

Cabe esclarecer logo um ponto fundamental: comer de forma exagerada é uma coisa, compulsão é outra. Essa última é uma doença e necessita ser sanada com um acompanhamento de ao menos três profissionais da saúde, um médico, um nutricionista e um psicólogo.

De outro modo, a gula é um hábito que pode ser facilmente administrável com pequenas mudanças dentro do próprio seio familiar.

Sem dúvida alguma, um ponto preocupante que os pais devem levar em consideração é se as crianças estão comendo escondidas. Se isso está ocorrendo, há um sinal de perigo no ar. Com certeza, esse é o primeiro sinal que deve ser percebido.

Da mesma forma, cabe aos pais perceberem se o seu filho está perdendo o controle quando come, já que isso acaba gerando culpa e tristeza.

Ações deste tipo podem significar alguma coisa: que a criança pode estar faminta, ou, ainda, pode estar também superar alguma necessidade emocional através da comida.

De modo geral, ela não faz isso de forma consciente, sendo mais involuntário e instintivo. E isso, justamente, é uma das premissas da compulsão alimentar.

Como identificar e prevenir o problema

Bebê comendo fruta: saiba como identificar e previnir a compulsão alimentar infantil
Bebê comendo fruta: saiba como identificar e prevenir a compulsão alimentar infantil

A temida compulsão alimentar infantil pode ter início a partir destes simples hábitos citados. É essencial que, ao perceber esse padrão de comportamento no seu filho, não hesite em procurar logo o pediatra da criança.

Vale lembrar que este transtorno pode ocorrer por diversos motivos, podendo ser biológico, emocional e até mesmo hormonal. Por esse motivo que a compulsão alimentar infantil é tratada de modo multidisciplinar.

Isto é: quanto antes o problema é tratado e identificado, são menores as chances para o quadro ter uma evolução. Agindo assim, é muito provável que a criança vai chegar em sua puberdade já sem ter este problema.

Uma dica importante: converse com o seu filho e tente ver o que ele sente;

Falta de comida: quando a fome da criança não é respeitada na hora de fazer a refeição (por exemplo, os pais o proíbem de repetir)

Falta de prazer de comer: quando nenhum alimento gostoso, sob o ponto de vista da criança está à disposição em casa

O chamado comer emocional: a criança sente tristeza ou raiva e acaba descontando na comida, essencialmente nos doces

Família tem que estar unida para combater a compulsão alimentar infantil

Jamais os pais têm que se sentirem culpados se perceberem que seus filhos estão demonstrando qualquer tipo de distúrbio diante da comida.

Contudo, é interessante repensar determinados hábitos para que, desde cedo, as crianças tenham boa relação com a comida.

Vale ressaltar que o nosso corpo curte uma rotina, principalmente as crianças, que estão em fase de crescimento, precisam estar bem alimentadas. Procure ofertas as principais refeições como café da manhã, almoço e jantar sempre respeitando os horários.

Do mesmo modo, comer sentado à mesa é um dos modos de minimizar o risco de desenvolver a temida e indesejada obesidade, mesmo que seja somente uma única refeição ou duas. Há de levar em conta que com a rotina pesada que muitos pais têm, eles só conseguem fazer uma ou duas refeições com os filhos durante o dia, principalmente no café da manhã e no jantar.

Certamente, este bom hábito vai tornar mais fortes os laços familiares, fazendo com que a rotina na hora da refeição seja uma parte do dia agradável para todos.

Muito importante: ofereça qualidade aos seus filhos; quanto maior variedade tiver na mesa, com certeza menor será a compulsão deles por doces e alimentos industrializados. Devemos entender como comida de verdade, o trivial, arroz, feijão, carnes, leite, queijos, ovos, frutas, verduras, sobremesas, etc.

Há hora da refeição, quando estiverem à mesa, deixe que o seu filho escolha a quantidade que deseja comer. Ele é o dono da própria fome!

Alguns pais cometem um erro que deve ser evitado: dieta restritiva para as crianças. Não faça isso, pois proibir pode ser o primeiro passo para a compulsão alimentar infantil.

Pais devem ressaltar as qualidades do filho e têm que tirar o foco da imagem corporal

Se o seu filho está com sobrepeso, cabe aos pais tirarem o foco da imagem corporal e direcionarem a outras qualidades: que a criança é inteligente, corajosa, simpática, amigável, etc.

Ficar lembrando, todo tempo, que o seu filho precisa emagrecer não irá auxiliar em nada e pode acabar contribuir para que ele tenha vergonha de comer na frente dos pais e passe a fazer suas refeições escondido.

Importante: se o pai ou, principalmente, a mãe também não está feliz com seu corpo, cabem a eles evitar colocar tanta energia em cima deste tema, já que é um assunto desgastante, principalmente quando estiverem fazendo suas refeições juntos. 

O ideal é que todos os integrantes da família consigam comer sem neuras, nem culpa e sem exageros.

“Esse é um transtorno alimentar da infância. Tem até um Código Internacional de Doenças (CID), que indica que sua prevalência é muito alta e merece um tratamento acertado!”, afirma o pediatra e neonatologista, Dr.Jorge Huberman.

Compulsão alimentar: procure o pediatra do seu filho caso alguns sintomas aparecerem
Compulsão alimentar: procure o pediatra do seu filho caso alguns sintomas aparecerem

Para marcar uma consulta com o Dr. Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.

Blog Jorge Huberman