Dr. Jorge Huberman

  >  crianças   >  Como identificar sintomas de depressão em crianças?
Menino triste cobre os olhos: saiba como identificar sintomas de depressão em crianças

Como identificar sintomas de depressão em crianças?

Um assunto que os pais normalmente têm receio em enfrentar é: como identificar os sintomas de depressão em crianças?

Em primeiro lugar, cabe ressaltar que eles podem ser detectados de vários modos, como, por exemplo, quando a criança tem muita enurese noturna (fazer xixi na cama), deixa de brincar, queixa-se muito de cansaço, dor de cabeça e dor de barriga, e também ter dificuldade na escola, em seu aprendizado.

Na verdade, esses sinais podem até mesmo serem confundidos pelos pais, como sendo timidez ou até mesmo birra da criança.

No entanto, se os pequenos continuarem apresentando esses indícios por mais de 14 dias, direto, aconselha-se que os pais levem a criança ao pediatra para que seja realizada uma primeira avaliação psicológica.

E, dependendo do resultado da consulta, se é preciso iniciar um tratamento nessa área.

Em boa parte dos casos, a intervenção médica abrange tanto sessões de psicoterapia, como também a utilização de medicamentos antidepressivos.

Contudo, a ajuda dos pais e dos professores é essencial para auxiliar a criança a sair da depressão.

Afinal, esse aborrecimento acaba dificultando o bom crescimento e desenvolvimento da criança.

Vale lembrar que os diversos sinais de uma possível depressão são variáveis, conforme a faixa etária dos pequenos.

Também cabe salientar que essa tarefa não é fácil, sendo que um psiquiatra pode atuar com o seu importante apoio e conhecimento.

“Uma pesquisa do Instituto de Psiquiatria da USP que investigou a saúde mental de jovens na pandemia identificou sintomas de ansiedade ou depressão em 27% das 7 mil crianças e adolescentes, de 5 a 17 anos”, afirma o pediatra Jorge Huberman.

“A taxa foi considerada alta e parece ter havido aumento pelo isolamento social”, diz o neonatologista Jorge.

O pediatra Jorge Huberman ao lado do paciente Caue: taxa de depressão foi considerada alta e parece ter havido aumento pelo isolamento social
O pediatra Jorge Huberman ao lado do paciente Caue: taxa de depressão foi considerada alta e parece ter havido aumento pelo isolamento social

Sinais de como saber identificar os sintomas de depressão em crianças

Há mais de 10 sinais que ajudam os pais a ligarem o seu radar para uma possível depressão dos seus filhos.

Em primeiro lugar, a criança fica com o seu rosto triste; seus olhos não têm brilho e ela não sorri de jeito nenhum.

Do mesmo modo, o corpo dela fica frágil e caído. É como se a criança tivesse sempre cansada e mirando o vazio.

Apesar da pouca idade, eles também não têm vontade de brincar, seja sozinha ou na companhia de outras crianças.

Ela também tem sonolência, cansaço frequente e não possui energia para fazer quase nada.

As tão famosas irritabilidade e birra, sem ter um motivo palpável, acabam surgindo; fica parecendo que a criança quer só fazer pirraça, demonstrando mau humor. Mas, na verdade, ela pode estar sofrendo de depressão.

Por causa, provavelmente, da sensibilidade exacerbada, acaba ocorrendo também o choro fácil e, muitas vezes, exagerado.

Do mesmo modo, há uma eventual perda de peso já que a criança também fica sem vontade de comer.

No entanto, pelo contrário, alguns pequenos sentem vontade enorme de comer doces.

É muito comum também que em casos de depressão infantil, a criança tenha muita dificuldade para dormir.

E relata, com frequência, a ocorrência de pesadelos.

Da mesma forma, tem receio e dificuldade de se separar dos pais, a qualquer momento do dia, mesmo que não seja de noite, nem a hora de ir para a cama.

Ainda há um sentimento de inferioridade, principalmente a respeito dos amiguinhos da creche ou da escola, onde eles ficam boa parte do dia, essencialmente quando os pais trabalham muito.

Na escola, crianças que estão sofrendo com esse mal, normalmente, apresentam falta de atenção, notas ruins, e acabam obtendo fraco desempenho nas aulas, de modo geral.

Sintomas variam conforme a idade; saiba como identificar sintomas de depressão em crianças

Um sintoma possível de depressão infantil é a incontinência urinária ou mesmo a fecal.

Isso ocorre mesmo depois da criança ter deixado de usar a fralda.

Embora estes sinais de depressão sejam frequentes nas crianças, eles podem ser mais característicos, dependendo da idade dos pequenos.

Na primeira infância, entre 6 meses a 2 anos de idade, os sinais de depressão

são a recusa alimentar, pouco peso, pequena estatura, atraso da linguagem e transtorno do sono.

Na época da pré-escola, que ocorre dos 2 aos 6 anos de idade, os pequenos que tenham, em alguns casos, birra frequente, bastante cansaço, quase nenhuma vontade de brincar, pouca energia, sofrem de enurese noturna e fazem cocô de modo involuntário também podem estar sofrendo com a depressão infantil.

Fora isso, ainda têm bastante dificuldade em se separar dos pais e evitam falar ou manter contato com outras crianças, permanecendo isolada.

Apresentam, ainda, fortes crises de choro e frequentes pesadelos. Fora que têm alguma dificuldade em pegar no sono.

Entre 6 e 12 anos de idade, a depressão é manifestada por meio dos sintomas já relatados, fora que também tem dificuldade em aprender, pouco poder de concentração, notas escolares baixas, isolamento, sensibilidade exacerbada, apatia, falta de paciência, dor de cabeça, entre outros.

Também ocorre um sentimento angustiante frequente, de ser inferior aos outros colegas e repete sempre frases depressivas como “ninguém gosta de mim”, “ninguém me ama” ou “não sei fazer nada”.

Já na adolescência, na faixa etária dos 12 anos, os sintomas de depressão são diferentes, como problemas de memória ou concentração e sensação de inutilidade.

Situações traumáticas podem causar depressão

Menina aparenta tristeza: sinais de depressão em crianças variam conforme a idade
Menina aparenta tristeza: sinais de depressão em crianças variam conforme a idade

 Em boa parte dos casos, a depressão na infância ocorre por conta de situações traumáticas como brigas frequentes na família, separação dos pais, nova escola, falta de contato dos pequenos com o pai ou a mãe ou mesmo o falecimento de um deles.

Fora isso, maus tratos, como por exemplo violações ou convívio diário com pais que sejam alcoólatras ou mesmo dependentes de drogas também colaboram muito para que a criança acabe desenvolvendo depressão.

O diagnóstico da depressão infantil é realizado, na maioria dos casos, por meio de exames feitos pelo pediatra da família, e a avaliação dos seus desenhos.

Em boa parte dos casos, os pequenos não conseguem relatar por completo a sua tristeza, ou seja, que está deprimida.

Por isso que os pais devem estar muito atentos aos seus sinais. Os adultos devem relatar essa ocorrência a um especialista.

Contudo, o diagnóstico da depressão infantil não é nada fácil, principalmente

porque ele pode ser confundido com mudanças de personalidade como irritação, mau humor, timidez e agressividade. 

No entanto, os pais podem até achar normal determinados comportamentos para a sua idade.

Deste modo, se for caracterizada transformação significativa no comportamento da criança, como chorar com frequência, ficar irritada ou perder peso sem motivo aparente, deve-se ir ao pediatra para que seja avaliada a situação de estar passando por alterações psicológicas.

Para marcar uma consulta com o pediatra e neonatologista, Dr.Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.