Dr. Jorge Huberman

  >  crianças   >  Com qual idade crianças podem ter autonomia?
Mãe interage com as crianças ao brincar na sala de casa

Com qual idade crianças podem ter autonomia?

Sempre que pensamos em criar nossos filhos para serem independentes, nos deparamos com uma dúvida muito difícil de lidar com qual idade crianças podem ter autonomia?

Ou seja, a partir de qual momento podemos encarregá-las para certas tarefas? Quando eles já conseguem se cuidar sozinhos?

Em primeiro lugar, é bom que se esclareça: quando são incentivadas a se tornarem independentes, as crianças, normalmente, têm a tendência de desenvolver melhor a sua capacidade para solucionar problemas.

Conforme a criança nasce e vai crescendo, seus pais acompanham esta evolução. De forma paralela, de acordo com o seu desenvolvimento e o passar dos anos, sua dependência em relação aos seus pais vai baixando de forma gradativa.

Desta forma, a criança passar a ter, cada vez mais, liberdade sobre os seus próprios atos.

Como se sabe, educar os filhos é uma das tarefas mais complexas da nossa vida, uma das mais difíceis, sem dúvida.

Justamente por ser uma questão tão complexa, diversas opiniões, estudos e análises aparecem o tempo todo, dizendo aos pais qual é a melhor alternativa a ser seguida.

Em segundo lugar, ninguém questiona que os pais, em certo momento, têm que conceder uma certa liberdade para os seus filhos. É só assim que esse processo de autonomia para as crianças funcionará de modo correto.

Uma das maiores dúvidas que existem neste assunto é: até que ponto isso é positivo ou negativo, tanto para a criança, para a sua criação, como também a respeito da relação entre pais e filhos.

De forma geral, não é preciso se preocupar com uma eventual falta de conexão entre seus filhos e você.

Se forem concedidas formas de agir livremente, principalmente para eles expressarem seus sentimentos e conversarem com você, a questão da relação não ficará comprometida de modo algum.

A autonomia para as crianças tem que ser incentivada pelos pais

Criança brincando sozinha na sala de sua casa: autonomia para os filhos tem que ser incentivada pelos pais

Um ponto muito importante: a autonomia para as crianças tem que ser incentivada pelos pais. Ela não surge do nada, pelo contrário: quanto maior o estímulo, melhor será para a criança.

O motivo essencial disso é a relação que esse tipo de incentivo tem com o desenvolvimento cognitivo dos pequenos.

Os mesmos, quando estimulados a fazerem as coisas sozinhos, têm um desenvolvimento maior em suas capacidades de memorização, de pensamento e até mesmo para resolver problemas.

Com certeza, esse processo tem que ser gradual pois não há como os pais simplesmente deixarem de fazer as coisas para os seus filhos e achar que isso é um incentivo.

Contudo, quando a criança desde a fase infantil é incentivada a resolver “conflitos” com seus brinquedos ou até mesmo quando ele precisa pegar alguma coisa, ele acaba desenvolvendo melhor essas características já citadas.

Como esse processo é gradual, a supervisão dos pais nessas atividades do filho é essencial para que essa relação de independência não seja ultrapassada.

Outro ponto importante: certamente o pediatra da criança vai saber te orientar qual é a hora certa para que ela faça isso ou aquilo. Ou seja: quando que podemos, de fato, confiar na criança, deixá-la sozinha, etc.

Quais são as fases de autonomia para crianças?

Se pensarmos em faixas de idade, fases da vida, e outros aspectos, pode-se dividir a evolução das crianças desde modo: até 3 anos de idade, 5, 7 e até 10 anos.

No primeiro caso, com até 3 anos de idade, a criança já é capaz de fazer tarefas simples sozinha, como, por exemplo, guardar os seus brinquedinhos e comer com garfo, sem ter o auxílio dos pais. É fundamental que, nessa fase da vida, os pais incentivem o filho criando brincadeiras que estimulem tais ações.

Depois disso, dois anos mais tarde, aos cinco, a criança consegue fazer vários tipos de tarefas com relação à sua higiene: escovar os dentes sem ajuda, e se limpar sozinha depois de ir ao banheiro.

Ou seja, tomar banho sozinha, com a idade entre quatro e cinco anos, a criança já tem condições. Claro que, ao final do banho, o adulto deve supervisionar se está tudo certo. A responsabilidade é dos pais ainda neste caso.

Criança usando roupão após sair do banho: aos 4 anos de idade, os pequenos já conseguem tomar banho sozinhos

É lógico que é muito importante a supervisão dos pais nessa questão, até mesmo para evitar possíveis doenças, mas também é algo que será, naturalmente, aprimorado com o tempo.

Na sequência, uma criança aos 7 anos de idade já consegue trocar de roupa sem ter problema e a praticar esportes em grupo. Fora que, já tem também as importantes e fundamentais habilidades de ler e de escrever.

Três anos mais tarde já é o momento em que a “fiscalização” dos adultos em certas tarefas já pode ser reduzida. Os pais devem então somente observar se o filho já consegue mesmo fazer sozinho as suas tarefas.

É nessa idade também, ou seja, aos 10 anos, que a criança já tem capacidade de atravessar a rua sozinha e a se deslocar com certa liberdade.

A responsabilidade dos pais e a liberdade das crianças

Quando se discute a autonomia das crianças, os pais têm papel fundamental em dois aspectos: incentivar e supervisionar.

Em primeiro lugar, o incentivo é essencial porque faz a criança perceber o que é preciso fazer para ter autonomia e ter também, assim, algumas responsabilidades.

No entanto, todas essas atividades dos pequenos têm que ser supervisionadas pelos pais. Isso, claro, vai depender, principalmente, da faixa etária de cada criança.

Para se ter uma ideia da importância disso: o modo como a criança vai encarar esta liberdade, esta autonomia, que os pais concederão ou não, vai impactá-las pelo resto da vida. É por isso que é essencial executar bem essas duas tarefas.

Da mesma forma, cabe frisar que uma criança que aprende a ter autonomia desde cedo, obtém senso de responsabilidade. Isso, sem dúvida, será muito importante no seu desenvolvimento.

Na educação infantil, por exemplo, já é possível se perceber se a criança tem autonomia ou não: seja por seu comportamento em sala de aula, como também por sua vida social pelo jeito que ela lida com seus deveres de casa e como age com as outras crianças.

Conquistar essa independência também garante que os pequenos passem por menos problemas no futuro, quando, por exemplo irão lidar com problemas em geral e os pais não estarão por perto para lhe ajudar.

Essa, sem dúvida, é uma das grandes vantagens de estimular a autonomia para crianças desde cedo.

Criar um filho é uma das maiores experiências da vida!

Sem dúvida alguma, criar um filho pode gerar diversas preocupações. Porém, certamente, trata-se de uma das experiências mais espetaculares que a vida pode proporcionar.

Por esse motivo, toda a preocupação e o estresse gerados, no final, sempre valerão muito a pena!

Incentivar a autonomia para as crianças está dentro desse processo e mesmo que, em algumas situações, será difícil nossos filhos compreenderem as razões de que certas tarefas precisam ser executadas por ele.

Da mesma forma, os pais perceberão que, no futuro, valeu todo o esforço que foi feito para criar seus filhos de forma digna e correta.

E as crianças, também lá na frente, irão entender por que os pais agiram desta forma com eles.

O pediatra Dr Jorge Huberman com sua paciente, Analua: “demonstre satisfação e agradecimento por toda a ajuda que a criança dá! Isso fará toda a diferença. E a criança vai se sentir reconhecida”

“Demonstrar satisfação com a ajuda da criança fará toda a diferença, fazendo com que ela se sinta importante e realizada”, afirma o pediatra e neonatologista, Dr. Jorge Huberman.

“Se algo de errado acontecer, não se deve culpá-la, afinal ela ainda está aprendendo.  O reconhecimento do esforço dos filhos fará com que se sintam mais confiantes e competentes, inclusive em sua vida adulta”, completa o Dr. Jorge.