Dr. Jorge Huberman

  >  bebês   >  Botulismo infantil: quais são as causas e consequências?
O botulismo infantil possui tratamento quando descoberto com antecedência

Botulismo infantil: quais são as causas e consequências?

Causado por alimentos contaminados, o botulismo apresenta grande risco para crianças. Segundo a European Commission, até 15% dos casos da “Síndrome da Morte Súbita do Bebê” foram confirmados depois como botulismo infantil. Por isso, vamos abordar esse assunto: botulismo infantil: quais são as causas e consequências?

O botulismo infantil possui tratamento quando descoberto com antecedência, e a prevenção está em tomar cuidado com o que as crianças, e principalmente os bebês de até 6 meses de idade, ingerem.

O botulismo é consequência da liberação das toxinas de uma bactéria no nosso organismo e essa bactéria pode ser encontrada em produtos agrícolas como legumes, vegetais, mel e frutos do mar.

Como as crianças de até 6 meses de idade possuem o sistema imunológico muito frágil, a doença pode ser mais crítica e até mesmo levar à morte, em casos em que os sintomas não são percebidos.

Para o pediatra Jorge Huberman, existem formas de prevenir o botulismo. “Evite a ingestão de alimentos em conserva que estiverem em latas estufadas, vidros embaçados, embalagens danificadas ou com alterações no cheiro e aspecto”. Portanto, veja mais sobre o botulismo infantil, o que ele causa, quais são os tratamentos e como prevenir que seus filhos contraiam essa doença.

O que é botulismo infantil: quais são as causas e consequências?

O botulismo infantil é causado pela ingestão do alimento contaminado pela toxina da bactéria chamada de botulinum e clostridium. Ela germina e produz toxinas nos produtos alimentares que são mal cozidos ou guardados de maneira inapropriada.

Os sintomas geralmente aparecem entre 12 a 36 horas da exposição à toxina e o botulismo, em geral, pode ser contraído de várias maneiras diferentes: através da alimentação, quando a bactéria é ingerida, ou por meio de feridas, quando os esporos infectam cortes ou machucados.

Sendo apresentado em diferentes formas, o botulismo infantil geralmente é causado por alimentos contaminados
Sendo apresentado em diferentes formas, o botulismo infantil geralmente é causado por alimentos contaminados (Foto: Freepik)

O botulismo infantil, geralmente, é causado pela ingestão dos esporos bacterianos, que produzem toxinas dentro do estômago ou dos intestinos. E a fonte mais frequente dessa contaminação em bebês é pelo mel na chupeta.

Não é à toa que a doença ocorre principalmente nas crianças de até 6 meses de idade. A pesquisa da European Commission mostrou que cerca de 33% dos casos de botulismo infantil do mundo são causados por ingestão de mel.

O botulismo do lactente, como é chamada especificamente, aparece nos primeiros meses de vida, por conta da ingestão de esporos da bactéria e nesse caso, pode gerar desde problemas gastrintestinais, até episódios de síndrome da morte súbita.

O que causa o botulismo infantil?

Clostridium botulinum, um bacilo anaeróbico, ou seja, uma bactéria que não precisa de oxigênio para sobreviver, e que produz esporos resistentes, podendo ser encontrado no solo, nas fezes de animais, humanas e em alguns alimentos.

Sendo apresentado em diferentes formas, o botulismo infantil geralmente é causado por alimentos contaminados. Entre eles estão:

  • Vegetais como aspargo, feijões, beterrabas, milho e batatas;
  • Alimentos em conserva, como palmito e picles;
  • Carnes mal cozidas ou conservadas em gordura (enlatada);
  • Embutidos e defumados como salsicha ou presunto;
  • Peixes, especialmente, enlatados e defumados;
  • Frutos do mar;
  • Queijos e pasta de queijos.

Quais são os sintomas de botulismo infantil?

O período de incubação e de aparecimento dos sintomas varia de 12 horas até oito dias e o tempo que esses sintomas persistem está associado à quantidade de toxina liberada no organismo.

E apesar dos sintomas do botulismo infantil variarem de acordo com o tipo de infecção da doença, os mais comuns, em crianças, são:

  • dores de cabeça, vertigem e tontura;
  • sonolência;
  • aversão à luz, queda da pálpebra, visão turva ou dupla;
  • boca seca, intestino preso e dificuldade para urinar.
  • diarréia, náuseas e vômitos;
  • dificuldade para respirar ou até paralisia da musculatura respiratória, braços e pernas e infecções respiratórias.

Já em bebês os sintomas de botulismo podem ser:

  • Sucção fraca e dificuldade em engolir;
  • Apatia e irritabilidade
  • Redução de expressões faciais;
  • Sonolência e cansaço;
  • Letargia, incapacidade de reagir ou mesmo sonos muito profundos e longos;
  • Pupilas que reagem pouco;
  • Prisão de ventre.

Lembre-se que, em cada organismo, a doença se manifesta de uma forma, e nem todos os sintomas acontecem na mesma pessoa. Em alguns casos, só aparecem os sintomas leves, o que dificulta o diagnóstico da doença, portanto é preciso estar atento.

Conforme a intoxicação evolui, o sistema nervoso passa a ser comprometido, dando origem a sintomas sérios como dificuldade para engolir, falar e de se locomover. O sinal mais grave é a paralisia dos músculos respiratórios, pois pode ser fatal.

Como é feito o diagnóstico do botulismo infantil? Como prevenir o botulismo infantil?

O pediatra precisa entender o histórico clínico do paciente, assim como listar os sintomas a partir da análise do estado clínico do paciente até que seja tratado como suspeita de botulismo infantil.

Nessa etapa são levados em conta os sintomas, a resposta ao exame neurológico, a pesquisa de alimentos ingeridos e a possível ocorrência de casos de intoxicação alimentar em pessoas próximas.

Depois, a confirmação pode ser feita via exames de amostras biológicas, como os de sangue ou fezes, que identifiquem a presença da toxina no organismo da criança.

O pediatra e neonatologista, Jorge Huberman, examina paciente em seu consultório no Instituto Saúde Plena, em Moema

A melhor forma de prevenir o botulismo infantil está nos cuidados com a ingestão, compra e higiene na hora de limpar os alimentos. Portanto, evite a ingestão de alimentos enlatados em que as embalagens parecem estufadas ou danificadas.

Não ingira alimentos em conserva com cheiro ou aspecto diferentes do comum. Produtos que parecem inseguros devem ser fervidos por pelo menos 15 minutos, antes de serem consumidos.

É preciso refrigerar alimentos enlatados que já foram abertos. Siga as instruções do fabricante na hora de conservar alimentos, e nunca os conserve em temperaturas acima de 15ºC. Lave sempre as mãos.

Por fim, certifique-se de que o alimento em conserva, carne ou vegetal que for consumir foi tratado seguindo as medidas de higiene necessárias.

Qual o tratamento para o botulismo infantil?

O tratamento do botulismo infantil depende do estágio da doença e dos sintomas que a criança apresenta. Porém, nos bebês sempre são feitas lavagens estomacais e intestinais para retirar qualquer resquício de alimento contaminado.

Comumente, o tratamento é iniciado mesmo que só haja suspeita de botulismo infantil. Nesse caso, os bebês são hospitalizados e recebem tratamento para estabilizar o seu quadro. A lavagem gastrointestinal e uso de um ventilador mecânico, para ajudar na respiração, são algumas delas.

A Imunoglobulina anti-botulismo intravenosa (IGB-IV) pode ser usada, já que antibióticos são ineficazes. A aplicação desse soro antibotulínico evita que a toxina chegue ao sistema nervoso.

Essa substância é injetável na veia, e é obtida através da doação de pessoas que têm muitos anticorpos, ou seja, proteínas orgânicas, produzidas pelo nosso sistema imunológico na defesa contra uma bactéria específica.

O processo de recuperação pode ser lento, pois depende da reação do sistema imunológico para a eliminação da toxina. Contudo, levar seu filho periodicamente ao pediatra pode ajudar na prevenção da doença.

E vamos combinar que, quando se trata de saúde, todo cuidado é pouco!

Para marcar uma consulta com o pediatra e neonatologista Dr. Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.