Dr. Jorge Huberman

  >  Coronavírus   >  Bebê nasce com anticorpos contra o coronavírus
Nenê recebe tratamento em UTI: um bebê na Espanha nasceu com anticorpos contra o coronavírus

Bebê nasce com anticorpos contra o coronavírus

Um caso muito raro ocorreu recentemente em um hospital na Espanha: bebê nasce com anticorpos contra o coronavírus.

Os médicos acreditam que a mãe pode ter passado a imunidade para o recém-nascido

pela placenta, através da transmissão vertical.

O fato ocorreu há poucos dias, em 23 de outubro, no Hospital Universitário de San Jorge, em Huesca, na Espanha.

O nenê teve os anticorpos contra a Covid-19 detectados em teste sorológico.

Em sua primeira prova de PCR (Proteína C-reativa), o bebê chegou a testar positivo para o novo coronavírus.

No entanto, ao realizar o segundo exame, de forma surpreendente, o resultado foi negativo. 

Segundo a imprensa espanhola, o caso deixou intrigados os médicos por causa do primeiro resultado, que foi positivo. Por isso que a situação é considerada como sendo muito rara.

Cabe esclarecer que o protocolo médico foi respeitado de forma integral e o intervalo entre o primeiro e o segundo teste foi de 48 horas.

O resultado negativo, do segundo teste, leva a crer que o bebê pode ter adquirido os anticorpos já na placenta da mãe.

Contudo, sabe-se na literatura médica que são muito raros os casos de transmissão de anticorpos da mãe para o bebê. O mais comum, é a presença do vírus no recém-nascido, que pode ser contaminado até pelo ambiente. 

Os recém-nascidos não são capazes de gerarem sozinhos os anticorpos.

Assim sendo, no caso do bebê espanhol, nascido na cidade espanhola de Huesca, imagina-se que a transmissão da placenta seja a mais provável. Esse processo é conhecido como transmissão vertical. 

Dados atualizados do Coronavírus

Médico protegido contra a Covid-19 trata de bebê em UTI de hospital
Médico protegido contra a Covid-19 trata de bebê em UTI de hospital: ainda é essencial fazer todas as medidas de proteção

Sobre o coronavírus, afirma o escritório da OMS no Brasil o seguinte. Como se sabe, atualmente, ainda não há vacinas disponíveis contra a Covid-19.

Existem várias, espalhadas pelo mundo, ainda em fase de testes. Todos esperam tê-las em breve, como uma das medidas mais custo-efetivas para controlar a pandemia do novo coronavírus e diminuir os impactos na saúde, economia e sociedade.

Deste modo, é essencial, ainda, manter as medidas de proteção: lavar as mãos com frequência, com água e sabão (ou álcool em gel) e cobrir a boca com o antebraço quando for tossir ou espirrar.

É fundamental manter-se a pelo menos 2 metros de distância de outras pessoas, principalmente em locais abertos.

Quando o distanciamento físico não é viável, o uso de uma máscara, que cobre o nariz e a boca, também é uma medida importante.

Foram confirmados no mundo todo cerca de 45 milhões de casos e perto de 1,2 milhão de pessoas mortas. Estes dados são do último dia 30 de outubro.

Na região das Américas, mais de 13 milhões de pessoas que foram infectadas pelo novo coronavírus conseguiram se recuperar.

Por último: os sintomas mais comuns da COVID-19 são febre, cansaço e tosse seca.

Alguns pacientes podem apresentar sintomas como dores, congestão nasal, dor de cabeça, conjuntivite, dor de garganta, diarreia, perda de paladar ou olfato, erupção cutânea na pele ou descoloração dos dedos das mãos ou dos pés.

Esses sinais geralmente são leves e começam de forma gradual.

Ainda devemos ficar muito atentos!

“O impacto nos fetos de gestantes infectadas, exemplo do Zika vírus. Essa é a grande preocupação dos especialistas com relação às grávidas com a Covid-19”, explica o pediatra Jorge Huberman.

“A grande preocupação desses casos da mãe durante a gestação é exatamente essa: da infecção ser acompanhada de anomalias no feto”, explica o neonatologista.

Bebê recebe tratamento em hospital: vírus ainda circula e exige muito cuidados de todos
Bebê recebe tratamento em hospital: vírus ainda circula e exige muito cuidados de todos; devemos continuar atentos!

Devemos ficar muito atentos: o vírus ainda circula entre nós, vitimando muita gente, deixando milhares de famílias em luto, desemparadas.

Use a máscara, cuide-se, proteja-se! Só no Brasil já são mais de 160 mil vítimas fatais.

A Europa, infelizmente, vive atualmente a segunda onda de contágio do novo coronavírus, espalhando, novamente, o medo pelo continente.

Nos Estados Unidos, por sua vez, milhares de novos casos ainda não relatados diariamente.

Para marcar uma consulta com o Dr.Jorge Huberman ligue para (11) 2384-9701.