Dr. Jorge Huberman

Banho de chuva não causa gripe ou resfriado

Existe um senso comum de que alguns hábitos como tomar banho de chuva, tomar sorvete ou beber água gelada com frequência e se expor ao vento frio seriam responsáveis por causar gripe ou resfriado em crianças. Porém, nenhuma dessas ações é capaz de causar essas infecções respiratórias.

Afinal, tanto a gripe quanto o resfriado são causados por vírus, os quais entram no organismo após o contato com superfícies e objetos contaminados ou quando se inala partículas expelidas por pessoas doentes.

A crença de que banhos de chuva, alimentos gelados e vento frio seriam capazes de causar gripe e resfriado ocorre porque após se expor a esses fatores é comum que a criança apresente quadros de coriza, tosse e espirro.

Porém, esses quadros são passageiros e funcionam como uma resposta natural do organismo diante do contato com o frio para proteger o corpo contra a perda de calor e umidade.

Porém, sempre é bom lembrar também do choque térmico, o qual provoca baixa na imunidade.

Dr Jorge abraça uma criança pequena e os dois sorriem
O pediatra Jorge Huberman ao lado do pequeno Gabriel: o especialista alerta sobre o choque térmico e dos perigos para a saúde

“Mesmo que seja curto, o choque térmico representa uma oportunidade para o vírus invadir o organismo com as defesas em baixa. Idealmente, ao tomar chuva ou se expor a uma corrente de ar frio, é recomendado se aquecer e adotar medidas para recuperar o calor do corpo”, diz o pediatra e neonatologista Dr Jorge Huberman.

É normal as crianças ficarem gripadas ou resfriadas com mais frequência?

Por ainda estarem desenvolvendo o sistema imunológico, as crianças são mais suscetíveis às gripes e resfriados. Em média, os pequenos costumam ficar gripados ou resfriados de seis a dez vezes ao ano, o dobro dos adultos, que geralmente desenvolvem essas infecções no máximo cinco vezes por ano.

As chances de as crianças ficarem resfriadas aumenta quando elas passam a frequentar creches ou escolas, por elas terem contato mais próximo com um maior número de pessoas.

As gripes e resfriados também são mais comuns durante o outono e o inverno, uma vez que nessas épocas do ano a tendência é ficar mais tempo em lugares fechados e com pouca ventilação.

O ar mais frio e seco dessas estações compromete ainda as vias respiratórias, deixando-as mais suscetíveis à entrada dos vírus.

Como proteger as crianças contra gripes e resfriados

Menina lava as mãos em uma pia
Menina lava as mãos em uma pia: ensinar bons hábitos de higiene é uma forma eficaz de proteger as crianças contra gripes e resfriados

A maneira mais eficaz de proteger as crianças contra gripes e resfriados é mantendo a carteira de vacinação dos pequenos sempre atualizada.

Outra forma eficiente de prevenção é ensinar bons hábitos de higiene às crianças. Elas devem aprender a importância de lavar bem as mãos após tocar em superfícies e objetos, ao chegar da rua, antes das refeições, depois de assoar o nariz e de ir ao banheiro.

É importante que as crianças entendam também que não devem compartilhar objetos pessoais com os colegas da escola ou da creche.

Para os pais que são fumantes, a recomendação é nunca fumar perto dos pequenos e evitar levá-los em locais com pessoas fumando, uma vez que a exposição constante à fumaça do cigarro tende a aumentar as chances de a criança ficar gripada, além de prolongar o tempo necessário para a recuperação.

Como tratar a criança resfriada ou gripada?

No sofá da sala, uma menina assoa o nariz. A mãe está ao lado dela oferecendo aconchego para a criança
Mãe acaricia a filha gripada no sofá: repouso e hidratação são importantes para a recuperação da criança

Antes de dar qualquer medicamento para a criança que pegou uma gripe ou resfriado é importante conversar com o pediatra de confiança para que ele indique a medicação mais adequada, se necessário.

Para além dos remédios antigripais e antitérmicos, não existe muito o que fazer para tratar a infecção, a não ser adotar algumas estratégias para que a criança não se sinta pior e fique mais confortável.

Uma delas é oferecer bastante água, sucos naturais e chás para a criança, evitando a desidratação que pode ocorrer por conta da febre e de possíveis quadros de vômito e diarreia.

Outra estratégia importante é incentivar a criança a se alimentar de modo que receba os nutrientes necessários para a recuperação do organismo. Diante da perda de apetite e da dificuldade para engolir, vale apostar no preparo de canjas, sopas e purês.

Além disso, a criança deve repousar bastante e limpar o nariz com uma solução de soro fisiológico. Expor a criança ao vapor também pode ajudar a aliviar a congestão nasal.

Em geral, gripes e resfriados não devem ser motivos de preocupação para os pais, porém, é preciso ficar atento a alguns sinais.

Por exemplo, caso os sintomas piorem muito depois de 7 dias ou a gripe não melhore em duas semanas. Quadros de febre superior a 39 graus também necessitam de atendimento médico.

Caso a criança tenha dificuldade para respirar ou apresente chiado no peito, pode ser que exista outra condição de saúde afetando o pequeno, como a asma. Dores de ouvido, por sua vez, podem ser quadros de otite.

Para marcar uma consulta com o Dr Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.

Blog Jorge Huberman