Dr. Jorge Huberman

Autonomia infantil: habilidade que deve ser trabalhada desde cedo

A autonomia infantil é uma habilidade que deve ser trabalhada desde cedo pela família, garantindo que a criança tenha mais independência e autoconfiança. No futuro, essa habilidade tende a contribuir para a formação de adultos com mais iniciativa e seguros de si.

Ao contrário do que se possa imaginar, a autonomia infantil nada tem a ver com deixar a criança livre para fazer tudo que bem entender, sem os devidos limites.

Na realidade, autonomia é a capacidade de gerir a própria vida, com liberdade para tomar decisões e consciência sobre os próprios atos.

Na definição do pediatra e neonatologista Dr. Jorge Huberman, “autonomia infantil é delegar responsabilidade e consciência dos próprios atos à criança, respeitando seus limites e capacidades, com o objetivo de desenvolver sua independência. Assim, ela se prepara para exercer melhor suas tomadas de decisão e convívio social ao longo da vida.”

A autonomia infantil deve ser trabalhada de forma gradual, de acordo com a faixa etária e os limites de cada criança.

Garantir que os filhos sejam mais independentes não significa que os pais não possam ajudá-la e devam deixar que a criança “se vire sozinha”.

O apoio dos pais é sim muito importante, mas sempre evitando a superproteção, uma atitude que pode deixar as crianças inseguras.

Pediatra Jorge Huberman sugere usar a música e os sons como forma de tratamento para a dislexia
O Dr. Jorge Huberman em seu consultório, em Moema: ele explica que a autonomia infantil contribui para que a criança tome melhores decisões e desenvolva seu convívio social

Os benefícios de a criança ser independente: a autonomia infantil

Assim como outras habilidades socioemocionais, quanto antes a autonomia for trabalhada, mais benefícios ela tende a trazer para a criança.

E vale dizer que criar filhos independentes não é vantajoso apenas durante a infância, mas também para a vida adulta.

Quando os pequenos são estimulados desde cedo a tomar decisões, resolver problemas e realizar tarefas sozinhos, a tendência é que se tornem adultos mais confiantes, proativos e capazes de lidar com frustrações.

A autonomia infantil permite que as crianças desenvolvam suas habilidades cognitivas, uma vez que contribui para que os pequenos encontrem soluções para os desafios do dia a dia.

Outro benefício é possibilitar o desenvolvimento da comunicação, da criatividade e do senso de responsabilidade.

Incentivar a independência das crianças estimula a inteligência emocional e habilidades como autoconfiança, coragem e persistência.

Considerando que a autonomia incentiva a tomada de decisões, trabalhá-la no dia a dia garante que a criança lide melhor com as possíveis frustrações decorrentes de suas escolhas.

Como estimular a autonomia infantil em cada faixa etária

Para que a autonomia infantil traga os benefícios esperados, é importante respeitar os limites da criança de acordo com a idade. Isso porque cada faixa etária possui o respectivo desenvolvimento cognitivo e motor. Tendo em vista que as crianças possuem o próprio tempo para se desenvolver e que nem sempre a idade é um parâmetro definitivo, os pais podem pedir ajuda ao pediatra para identificar a fase vivida pelo seu filho.

Tal atitude evita que os pais sobrecarreguem a criança com alguma tarefa que ela ainda não está pronta para realizar sozinha.

Em todas as idades, a autonomia infantil deve ser incentivada com a devida orientação dos adultos.

Menino pequeno pega uma blusa na gaveta da cômoda
Menino pega uma blusa listrada na gaveta: permitir que a criança escolha a própria roupa é uma técnica para estimular a autonomia infantil

Até 3 anos

Nessa faixa etária, algumas atividades que as crianças podem ser estimuladas a fazer sozinhas são:

  • Guardar os brinquedos
  • Colocar as roupas sujas no cesto da lavanderia
  • Usar talheres sem a ajuda dos pais
  • Escolher a própria roupa

De 3 a 5 anos

Até os cinco anos, tarefas que contribuem para a independência das crianças são:

  • Cuidar da própria higiene (escovar os dentes, tomar banho, ir ao banheiro e se limpar)
  • Arrumar a mochila da escola
  • Trocar de roupa e amarrar os sapatos

De 5 a 7 anos

A partir dos 5 anos, os pais podem incentivar a criança a realizar algumas tarefas como:

  • Arrumar a cama
  • Ajudar a lavar louça
  • Fazer a lição de casa
  • Dormir na casa de algum parente ou amigo

De 7 a 10 anos

Dos 7 anos em diante, a independência pode ser trabalhada por meio de atividades como:

  • Cuidar de um bichinho de estimação
  • Ajudar em tarefas domésticas
  • Atravessar a rua sozinha (com os devidos cuidados)

Dicas para estimular a autonomia infantil no dia a dia

Mãe ajuda filha a montar uma torre com blocos de madeira
Mãe brinca com blocos de madeira ao lado da filha pequena: estimular a descoberta de interesses é importante para que a criança se torne mais independente e desenvolva a autonomia infantil

Além das atividades indicadas no tópico acima, os pais podem estimular a independência dos pequenos de forma consistente através de outras atitudes.

Deixar que a criança tome decisões

Para que as crianças comecem a entender a importância de tomar decisões e as consequências que cada escolha pode trazer, é interessante envolvê-las em pequenas decisões, como a roupa que querem usar para sair, o livro que querem ler antes de dormir ou o desenho que querem assistir na TV.

Pedir ajuda em tarefas domésticas

Outra forma interessante de estimular a autonomia infantil é pedir à criança para ajudar em algumas tarefas domésticas ao longo da semana. Colocar um quadro de organização na altura da criança pode fazer com que ela desenvolva melhor seu senso de responsabilidade.

Vale lembrar que as tarefas devem ser adequadas à faixa etária, e que os pais não devem cobrar que sejam realizadas perfeitamente.

Permitir os erros

Os erros fazem parte do processo de autonomia, pois ajudam a estimular a persistência. Sempre que a criança estiver com dificuldade em alguma atividade da rotina ou de lazer, é importante que os pais ajudem somente quando a criança pedir, garantindo que ela continue tentando sozinha. Palavras de incentivo também são importantes.

Evitar correções em excesso

Cobrar a perfeição ou corrigir a criança diversas vezes enquanto ela faz algo sozinha pode ser muito desanimador, provocando o efeito contrário no desenvolvimento da autonomia. É indicado que os pais tenham em mente o mantra “feito é melhor que perfeito” para que não desestimulem seus filhos.

Adaptar a casa para a criança

Quando a casa não é acessível para a criança, a tendência é que ela sempre tenha que ficar pedindo ajuda ou acabe se colocando em perigo para fazer as tarefas por conta própria. Por isso, é importante que os objetos de uso da criança sejam colocados na altura dela, assim como itens organizadores, a exemplo de caixas e ganchos.

Dispor de um banquinho também permite que a criança consiga ajudar em tarefas como lavar a louça ou realizar atividades de higiene.

Permitir a descoberta de interesses

Para que consigam tomar decisões por conta própria, é importante que as crianças saibam do que gostam. Isso inclui brincadeiras, hobbies, cores, filmes, músicas, esportes… Durante o processo de descoberta, é importante permitir que elas experimentem atividades variadas e consigam expressar suas individualidades.

Para marcar uma consulta com o Dr. Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.

Blog Jorge Huberman