Dr. Jorge Huberman

Amigdalite infantil: sintomas, prevenção e tratamento

A amigdalite infantil é a inflamação das amígdalas, estruturas que compõem o sistema imunológico e ajudam o organismo a se proteger contra agentes infecciosos que entram pela boca ou o nariz.

Dor de garganta, febre e dificuldade para engolir estão entre os principais sintomas, deixando as crianças amuadas.

Quadros de amigdalite são comuns na infância, especialmente até os 7 anos de idade, porque nessa fase o sistema imune das crianças ainda está em desenvolvimento.

Apesar de ser corriqueira, a inflamação necessita do diagnóstico adequado, uma vez que existem dois tipos de amigdalite, a viral e a bacteriana, sendo que para cada uma delas existe um tratamento mais indicado.

Além disso, quando uma amigdalite bacteriana não é tratada da melhor maneira, o quadro pode evoluir para doenças graves, como a febre reumática e a nefrite.

Considerando que a amigdalite é um problema causado por agentes infecciosos, que podem ser transmitidos pelo ar ou através do contato com superfícies contaminadas, garantir que as crianças e seus familiares adotem bons hábitos de higiene é uma das melhores formas de prevenção.

Dr Jorge Huberman fala sobre autismo
Pediatra Jorge Huberman em seu consultório: o especialista explica que o uso excessivo de ar-condicionado também pode aumentar a ocorrência de amigdalites

Diferenças entre amigdalite viral e bacteriana

A amigdalite infantil pode ser causada por vírus ou bactérias.

No primeiro caso, que é o mais comum, os sintomas costumam ser parecidos ao de uma gripe ou resfriado. O problema, inclusive, pode se manifestar após uma virose respiratória.

Os principais sintomas da amigdalite causada por vírus são:

  • Dor de garganta
  • Febre baixa
  • Tosse sem secreção
  • Coriza
  • Dificuldade para engolir
  • Amígdalas avermelhadas e inchadas

Entre os bebês, sintomas comuns incluem ainda aumento na produção de saliva e perda de apetite.

O tratamento consiste em repouso, reforço na hidratação e uso de medicamentos como analgésicos e anti-inflamatórios.

Pediatra examina criança com febre
Criança com febre é examinada: como alguns sintomas da amigdalite podem ser confundidos com os de outras doenças respiratórias, o diagnóstico preciso é fundamental

Quando a amigdalite infantil é causada por bactérias, a dor de garganta costuma ser mais intensa e a febre é alta. O quadro também pode vir acompanhado de calafrios e de pontos de pus na garganta.

Nesse caso, o tratamento é feito a partir de antibióticos. Vale ressaltar que o remédio prescrito deve ser administrado pelo tempo indicado. Caso o tratamento seja interrompido com a melhora dos sintomas, a bactéria pode retornar mais forte ao organismo e gerar complicações como a febre reumática.

Principalmente no caso de uma amigdalite viral, em que os sintomas se assemelham a outras doenças comuns, somente o pediatra que acompanha a criança poderá fazer o diagnóstico preciso e prescrever o melhor tratamento.

O tratamento caseiro para amigdalite nunca deve substituir as recomendações do pediatra, apenas ser uma estratégia conjunta para que a criança se sinta melhor.

Algumas recomendações nesse sentido são fazer gargarejos com água e sal, tomar bebidas mornas ou geladas e usar um umidificador no quarto para que a criança durma melhor.

Amigdalite sempre tem que operar?

Durante muito tempo, as cirurgias para a retirada de amígdalas, chamadas de amigdalectomias, foram feitas de forma indiscriminada. Atualmente, costuma-se seguir um protocolo para definir se o procedimento cirúrgico é realmente a melhor alternativa.

Entre as questões que são levadas em conta estão:

  • Sete episódios de amigdalite em um ano
  • Pelo menos cinco amigdalites por ano durante dois anos
  • Apneia do sono e dificuldade para respirar ou engolir (decorrentes do inchaço anormal das amígdalas)

Além desses quesitos, a cirurgia pode ser recomendada caso outros tratamentos conservadores não tenham surtido o efeito esperado.

A amigdalectomia é realizada com anestesia geral e tem duração de uma hora, mais ou menos. A alta costuma acontecer no mesmo dia.

As cirurgias geralmente não são feitas antes dos 4 anos, exceto se os sintomas forem muito severos a ponto de prejudicar bastante o sono e a alimentação. Apenas com uma avaliação individualizada feita pelo pediatra e otorrinolaringologista é possível determinar o melhor caminho a seguir.

Como prevenir a amigdalite

No banheiro de casa, mãe ajuda sua filha pequena a lavar as mãos
Mãe ajuda sua filha pequena a lavar as mãos: ensinar bons hábitos de higiene desde cedo é uma ótima forma de prevenir a amigdalite infantil

Os quadros de amigdalite infantil são comuns especialmente quando a criança passa a frequentar a creche ou a escola, uma vez que nesses espaços ela começa a ter contato com um maior número de pessoas.

Tanto a amigdalite viral quanto a bacteriana são causadas por agentes infecciosos, transmitidos através de tosses, espirros, beijos, compartilhamento de itens pessoais e contato com superfícies contaminadas.

Por isso, a adoção de bons hábitos de higiene é uma das principais formas de prevenção, incluindo a lavagem frequente das mãos.

Queda na imunidade também pode estar relacionada com o desenvolvimento da amigdalite infantil. Para combater essa situação, a criança deve ter uma alimentação saudável e equilibrada, ser incentivada a praticar atividade física, dormir bem e brincar ao ar livre, para uma maior exposição solar.

O pediatra e neonatologista Jorge Huberman dá outra dica de prevenção: “evitar o uso excessivo de ar-condicionado pode ser uma boa maneira de prevenir dores na garganta, afinal, as mucosas das narinas e da faringe podem inflamar devido ao ar muito seco e às mudanças bruscas de temperatura.”

Para marcar uma consulta com o Dr Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.

Blog Jorge Huberman