Dr. Jorge Huberman

  >  crianças   >  A partir de quando criança deve usar protetor?
Filho recebe protetor solar da mãe: exposição ao sol dever ser feita de forma moderada

A partir de quando criança deve usar protetor?

Já estamos na alta temporada: férias escolares, verão, calor, praia, pandemia. Juntando tudo isso, os pais acabam tendo diversas preocupações e uma das principais é: a partir de quando criança deve usar protetor solar?

Ou seja: o maior questionamento diz respeito a como os pais devem proteger as crianças da exposição ao sol.

Em primeiro lugar cabe esclarecer: não há qualquer dúvida de que tomar sol é, de forma moderada, benéfica para as crianças.

Isso é: receber, diretamente, vitamina D faz muito bem para elas!

No entanto, uma eventual exposição solar em excesso, como os levantamentos apontam, acabam sendo prejudiciais aos pequenos e, por isso, tem que ser evitada a todo custo.

É essencial ressaltar também que a pele da criança principalmente até os 2 anos de idade, não está totalmente desenvolvida.

Ela é mais fina que a pele do adulto, produz bem menos melanina e, assim sendo, fica extremamente exposta aos raios ultravioletas.  

Os grandes impactos e problemas da exposição solar em excesso das crianças são a desidratação e também a queimadura solar.

E, o que é pior: os efeitos das radiações ultravioletas na pele também são acumulativos e ainda podem causar prejuízo à saúde das pessoas em um longo período.

O ideal é ter em mente também que as radiações ultravioletas A e B são as maiores responsáveis pelas queimaduras, pelo envelhecimento precoce da pele e, ainda, pelo surgimento do câncer cutâneo.

No entanto, todos estes fatores podem ser evitados usando-se os filtros solares, cujo êxito já foi comprovado segundo diversos levantamentos científicos.  

Bebês não precisam do protetor solar até os 6 meses

Até os seis primeiros meses de vida, os protetores solares não precisam ser aplicados nos nenês.

O U.S. Food and Drug Administration, que regula os remédios nos EUA, não recomenda o uso dos filtros solares nesta fase inicial de vida da criança já que a sua pele ainda permanece fina e imatura.

A maior absorção das substâncias químicas nos filtros solares podem ocasionar alguns problemas sistêmicos.

Deste modo, é fundamental evitar a superexposição à luz solar ao ar livre e utilizar roupas adequadas com fotoproteção à radiação solar.

Isso deve ser feito, com todo cuidado, até os seis primeiros meses vida da criança.  

Dicas essenciais para proteger nossos filhos dos raios solares

Recomenda-se aos pais que evitem, de toda maneira, a exposição ao sol entre 10 e 16 horas. Nesse intervalo de tempo, mais de 60% da radiação ultravioleta B incide na superfície terrestre.

Fazendo isso, acaba resultando em uma acentuada diminuição das alterações agudas e crônicas da pele. 

Use nas crianças, de forma regular, o fotoprotetor infantil com FPS 30 ou até maior que esse. 

É fundamental ressaltar que a radiação ultravioleta também incide na pele em dias nublados. Isso ocorre mesmo que a criança fique todo tempo embaixo do guarda-sol.   

O protetor solar tem que ser o mais adequado possível para uso na infância. Produtos para adultos têm muito mais substâncias químicas que podem ser prejudiciais à criança.  

A aplicação tem que ser realizada pelo menos 30 minutos antes da exposição ao sol para permitir que os ingredientes ativos atuem nas camadas superficiais da pele.  

Também precisamos ter em mente que é necessário repassar o protetor solar de duas em duas horas, por causa da transpiração dos pequenos e também sempre que a criança entrar na água.

Merece atenção, do mesmo modo: toda superfície do corpo que estiver exposta ao sol precisa de proteção.

Os pais não podem esquecer de algumas partes importantes: como pescoço, dorso das mãos e dos pés (que ardem com facilidade).

A quantidade de protetor solar recomendada é de 2,5 ml para face, pescoço, ombro e braço, e 5 ml para a perna e o dorso do pé.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a quantidade de protetor recomendada para cada parte do corpo equivale a uma colher de chá do produto no rosto, no pescoço e na cabeça.

Uma colher de chá para a parte da frente do tronco e outro tanto para a parte de trás.

Protetor solar precisa ser usado nas medidas recomendadas!

Quando aplicado no corpo das crianças em quantidades menores do que as citadas, o produto não oferece a proteção adequada. 

Recomenda-se ensinar a importância do protetor solar para as crianças, pois os hábitos que são adquiridos na infância são assimilados com maior facilidade por toda a vida.

É muito importante pedir orientação ao seu pediatra quando for escolher o protetor solar ideal.

Para crianças maiores de 6 meses de idade e até dois anos, há protetores solares 100% físicos, classificados como “baby” ou “mineral”.

A partir dos dois anos de idade, já podem ser usados os protetores infantis, identificados como “kids” ou “para crianças”. 

Prefira os produtos com fator de proteção a partir do número 30, resistentes à água, aos que não ardem nos olhos, na forma de creme e hipoalergênicos.

O certo é realizar um teste em uma pequena área do corpo antes de espalhar pelo mesmo.

Quando a criança ainda é bem pequena, só pode tomar rápidos banhos de sol no início da manhã ou então somente no final da tarde. Para sair de casa, recomenda-se que a criança use roupas leves e de fibras naturais. 

É fundamental que se evite os horários de maior incidência de raios solares nocivos (UVB). O tempo prolongado de exposição e a falta de proteção nas crianças podem causar insolação e até queimaduras de 1° e de 2°grau. 

“Diferente dos protetores solares, que tem inúmeros componentes químicos, cuja a maioria é absorvida pela pele, as roupas UV não liberam nenhum composto químico” explica o pediatra Jorge Huberman.

“O uso de roupas UV também é uma boa alternativa para bebês”, completa o especialista.  

O pediatra Jorge Huberman ao lado dos pacientes Manoel e Samuel: roupas UV não liberam nenhum composto químico

O pediatra Jorge Huberman ao lado dos pacientes Manoel e Samuel: roupas UV não liberam nenhum composto químico

 

Para marcar uma consulta com o Dr.Jorge Huberman, ligue para (11) 2384-9701.